terça-feira, 26 de abril de 2022

[Aparecido rasga o verbo] Tábula velha

Aparecido Raimundo de Souza

O ENCONTRO FOI CASUAL.
Aconteceu na padaria onde tomavam o desjejum. Dizia o Beringelôncio à Rodolfo (amigo de infância, a quem não pregava os olhos fazia anos, em face de ter se mudado de sua pequena comunidade interiorana para a cidade grande):
— A minha vida de agora, essa que estou vivendo nesse momento, é mais legal que a do passado... quando ainda morava aqui...
Rodolfo (interrogativo):
— O que quer dizer com isso?
Beringelôncio (muito sério):
— Que meus heróis daquele tempo, do nosso tempo não morreram de overdose.
Rodolfo
— Beringelôncio, você, por acaso, tem um parafuso a menos na cabeça?
Beringelôncio (chateado com a pergunta fora de esquadro feita pelo amigo):
— Rodolfo, eu nem sabia que cabeça levava parafuso...

Rodolfo (troçando com a fuça engraçada do outro):
— Ao que tudo indica...
Beringelôncio (aperreado):
—...Continue...
Rodolfo
— Acho que você é meio besta... ou está ficando... já parou para pensar nessa hipótese, Beringelôncio?
Beringelôncio (mostrando uma seriedade ensaiada):
— Não, nunca! Mas você disse ai “meio?”
Rodolfo
— Meio não. Na verdade, você se me apresenta como uma besta inteira. De cabo à rabo... mudou aqui do bairro, sumiu dos amigos, conheceu novos ares...

Beringelôncio (pensando em mandar o amigo às favas):
— O que deu em você, Rodolfo?
Rodolfo (mudando o rumo da prosa):
— Nada. Por...?
Beringelôncio (intrigado com aquela observação da “besta inteira” esquisita):
— Se não sabe o que deu em mim, acho que a besta aqui só pode ser, realmente, a sua pessoa. Eu estou no meu normal. Eu sou normal...
Rodolfo (se desculpando):
— Perdão. Eu também sou... não sei os demais...
Beringelôncio (olhando para os lados):
— Os demais, Rodolfo? Além de nós dois tomando café, tem mais alguém aqui?

Rodolfo (vasculhando ao entorno de ambos):
— Não que eu esteja vendo. Acho que você, depois que buscou novos horizontes, passou a sofrer de uma espécie de doença antiga, quase secular, cuja sigla é conhecida pela medicina como Mapage.
Beringelôncio (coçando a cabeça):
— Mapage? De onde tirou isso? Nunca ouvi falar. Que doença é essa?
Rodolfo (se empertigando para responder à altura):
— Maluquice Patológica Generalizada, Beringelôncio. Pelo menos esse é o nome que uma médica aqui do posto de saúde me passou. Agora, meu caro, um conselho: pelo jeito, está voltando para os aconchegos familiares. Ótimo. Engula o seu orgulho. Zere as mágoas do seu ontem e tente viver um agora diferente. Se reconstrua... se refaça. Você está acabado... olhe para você... completamente fora de órbita...

Beringelôncio (dando uma geral em seu próprio físico):
— Estou fora de órbita? Pois bem! Estou! Acabo de completar cinquenta e cinco anos. A propósito: e se eu, nessa idade, não conseguir?
Rodolfo
— Não conseguir o quê?
Beringelôncio:
— Me reconstruir, como você propôs ai?
Rodolfo
— Apenas viva e deixe os outros viverem. Estou com sessenta e dois, lembra? Apesar das rugas notórias, sou feliz. Faça como eu: ame, se abra, arranje um cobertor de orelha.... acasale... dê... se doe...
Beringelôncio (caindo na gargalhada com essas observações meio estapafúrdicas, rebate, de pronto):— Amar, me abrir, arranjar um cobertor de orelha, acasalar? Dar? Me doar? Na minha idade? Rodolfo, me responda: você por acaso fez isso tudo que está me sugerindo, apesar de mais novo que eu?

Rodolfo (boquiaberto):
— Isso o que, cara? Seja mais explícito.
Beringelôncio
— Amar, me abrir, arranjar um cobertor de orelha, acasalar? Dar? Se doar... me belisque...
Rodolfo (retomando seu porte comedido):
— Claro, seu tonto. Fiz tudo isso e muito mais. E olha que me pesam nos costados sessenta e tantos janeiros... sessenta!...
Beringelôncio
— Tudo isso e muito mais...?
Rodolfo (esquecendo, por um breve momento a sua mudança inopinada de vida e se soltando desmilinguido diante do velho amigo que reencontrara, de repente):
— Sim, seu bobo. Me casei. Beringelôncio, na verdade, juntei os trapos... fui morar com Yuri. Ah, Yuri! A metade da minha maçã faltosa. Meu chinelo perdido, o leite quentinho que faltava para completar meu caneco de café!...

Beringelôncio (cenho franzido, as mãos estremecidas pela revelação espantosa):
— Não sabia desse particular. Acaso, Rodolfo, eu conheço essa Yuri? Pelo que me lembro, você namorou a Rute, como eu também. Depois, partimos para a Bela, enrolamos a Cida, brincamos com os sentimentos da Malvina e da Greta... por fim, até a Belinha, coitada, cadeirante, nós não perdoamos. Refresca a minha cabeça: quem é essa Yuri que roubou o seu coração? Deve ser uma gata nova no pedaço, pois não?
Rodolfo (a carranca nesse momento totalmente reclusa):
— Yuri, seu chato de galochas, Yuri tem a sua idade. Eu descreveria a figura fenomenal da beldade como um pedaço de mau caminho. Yuri é o filho mais novo do seu Ricardo aqui do açougue...
Beringelôncio
— Filho, não entendi! Perdão, você disse filho, Rodolfo?!

Rodolfo (sustentado o olhar incrédulo do amigo apalermado):
— Com todas as letras, eu me fiz direto e reto. Filho, F-I-L-H-O. Lembra do seu Ricardo do açougue? Aqui em frente da rodoviária? É obvio que lembra! Minha mãe e a sua abasteciam as geladeiras comprando os produtos do comércio dele. Pois então, Beringelôncio... Yuri é o filho dele. Ainda adolescente, o moço foi morar com a mãe, em Portugal. Ficou por lá quase onze anos. Onze anos, meu prezado. Durante todo esse espaço, não perdemos o contato. Trocamos endereços, telefones... nos correspondemos... ao contrário de você, que sumiu, deu no pé, viirou lembrança. Mandou pras cucuias as raizes. Preferiu a capital e todas as loucuras que envolvem uma metrópole como São Paulo. Se você vier comigo até em casa, digo na nossa casa, minha e de Yuri, terei o prazer de lhe mostrar uma caixa cheia de cartas que escrevemos um para o outro. Yuri voltou agora... aliás, veja que coincidência: faz cinco meses amanhã que juntamos os suores de nossos loucos desejos de amor...

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Salvador, na Bahia. 26-4-2022

Anteriores: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-