sexta-feira, 29 de abril de 2022

A guerra na Ucrânia é uma fraude

Segundo Ron Paul, ex-candidato à Presidência dos EUA, o conflito no Leste Europeu beneficia poucas pessoas, à custa de muitas

Edilson Salgueiro

“A guerra é uma fraude”, escreveu certa vez o ex-general norte-americano Smedley Butler. “Uma fraude é mais bem descrita, acredito, como algo que não é o que parece para a maioria das pessoas. Apenas um pequeno grupo ‘interno’ sabe do que se trata. É conduzida para o benefício de poucos, à custa de muitos. Por meio da guerra, algumas pessoas fazem grandes fortunas.”

É com essa citação que Ron Paul [foto], ex-candidato à Presidência dos Estados Unidos, inicia seu artigo A guerra na Ucrânia é uma fraude, publicado na segunda-feira, 25, pelo portal Ron Paul Institute.

A propaganda continua a retratar o conflito no Leste Europeu como a história de um Golias que não foi provocado e resolveu dizimar um inocente Davi. O massacre ocorrerá, dizem, a menos que os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) enviem enormes quantidades de equipamentos militares para a Ucrânia. “Como sempre acontece com a propaganda, essa versão dos eventos é manipulada para trazer uma resposta emocional em benefício de interesses especiais”, diz Ron Paul.

O complexo industrial dos Estados Unidos é um dos grupos de interesses especiais que lucram com a invasão da Ucrânia pela Rússia. Recentemente, durante uma reunião de acionistas, o CEO da Raytheon, Greg Hayes, disse o seguinte: “Os equipamentos militares enviados para a Ucrânia estão saindo dos estoques — seja do Departamento de Defesa dos Estados Unidos seja de nossos aliados da Otan. Isso é uma ótima notícia. Eventualmente, teremos de reabastecê-los e veremos um benefício para o negócio”.

Segundo Ron Paul, Hayes não mentiu. A Raytheon e a Lockheed Martins, além de inúmeros outros fabricantes de armas, estão desfrutando de um lucro que não conseguiam há anos. “Os Estados Unidos comprometeram mais de US$ 3 bilhões em ajuda militar à Ucrânia”, afirma o político. “Eles chamam isso de ajuda, mas, na verdade, é bem-estar social corporativo. Washington está enviando bilhões de dólares para fabricantes de armas do exterior.”

Os carregamentos de armas como o míssil antitanque Javelin — fabricado em parceria pela Raytheon e pela Lockheed Martin — estão sendo atacados e explodidos assim que chegam em território ucraniano. “Isso não incomoda a Raytheon. Quanto mais armas explodidas pela Rússia na Ucrânia, mais novos pedidos serão realizados pelo Pentágono”, argumenta Ron Paul.

Os países que integravam o Pacto de Varsóvia e agora pertencem à Otan também estão envolvidos nessa farsa. Isso porque descobriram uma forma de descartar suas armas de fabricação soviética, usadas há 30 anos, e encontraram uma maneira de receber equipamentos militares mais modernos, produzidos pelos Estados Unidos por outras potências ocidentais.

“Enquanto muitos simpatizantes da Ucrânia estão aplaudindo essa postura, o pacote multibilionário de armas fará pouca diferença”, alerta Ron Paul. Como disse Scott Ritter, ex-oficial da Inteligência da Marinha dos Estados Unidos: “Posso dizer com absoluta certeza que, mesmo que essa ajuda chegue ao campo de batalha, não terá impacto. E Joe Biden sabe disso”.

O artigo destaca que, na prática, os russos estão capturando toneladas de armas modernas dos Estados Unidos e da Otan. Mas não é só isso. Esses armamentos estão sendo utilizados para matar os próprios ucranianos. “Que ironia”, escreve Ron Paul. “Que tipo de oportunidades serão oferecidas aos terroristas, com milhares de toneladas de armas mortais de alta tecnologia flutuando pela Europa? Washington admitiu não ter como rastrear as armas que está enviando para a Ucrânia e não tem como mantê-las fora das mãos dos bandidos.”

Para o político, o confronto no Leste Europeu é uma fraude. “Os EUA estão se intrometendo na Ucrânia desde o fim da Guerra Fria”, salientou. “O país derrubou o governo ucraniano em 2014 e plantou as sementes do conflito que estamos testemunhando hoje. A única forma de sair de um buraco é parar de cavar. Não espere isso tão cedo. A guerra é muito lucrativa.”

Título e Texto: Edilson Salgueiro, Revista Oeste, 28-4-2022, 20h

Leia também: Autoritarismo ou liberdade, artigo de Ubiratan Jorge Iorio publicado na Edição 109 da Revista Oeste 

Relacionados: 
Brasil é contra sanções e expulsão da Rússia do FMI, diz Guedes 
Invasão na Ucrânia: só um dos sete conflitos armados no mundo 
Que crime é este? 
Ukraine : l’urgence de voir après la guerre 
Ler comunicado oficial é mais informativo que ler a maioria dos jornais, diz filósofa 
Os países assentados no Conselho de Direitos Humanos da ONU 
Guerre Russie-Ukraine : Dans les médias chinois, les États-Unis sont le seul coupable 
Et si le massacre de Boutcha était un hoax ? Des images satellite sèment un gros doute 
Ministro diz que agressão da Rússia à Ucrânia é inadmissível 
Russie-Ukraine : la paix à l’épreuve des mensonges – JT du mardi 5 avril 2022 
Ucrania: el Ministerio de la Verdad 
Ordem mundial é o objetivo da guerra informacional na Ucrânia 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-