sexta-feira, 29 de abril de 2022

[Versos de través] Em todos os jardins

Sophia de Mello Breyner

Em todos os jardins hei-de florir,  
Em todos beberei a lua cheia, 
Quando enfim no meu fim eu possuir 
Todas as praias onde o mar ondeia.

Um dia serei eu o mar e a areia, 
A tudo quanto existe me hei-de unir, 
E o meu sangue arrasta em cada veia 
Esse abraço que um dia se há-de abrir.

Então receberei no meu desejo 
Todo o fogo que habita na floresta 
Conhecido por mim como num beijo.

Então serei o ritmo das paisagens, 
A secreta abundância dessa festa 
Que eu via prometida nas imagens.


Sophia de Mello Breyner


Anteriores: 
Morrer de amor 
Quando o coração… 
bardo 
Magnificat 
Sonnet 20 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-