quinta-feira, 21 de abril de 2022

[Daqui e Dali] "Os bem-comportados podem sair"

Humberto Pinho da Silva

Havia, na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho sem o chefe do departamento, dizer "Podem sair!"

Ora, após a “Revolução dos Cravos" muitos camaradas, confundindo liberdade com falta de educação, logo que os ponteiros do relógio indicavam a hora da saída, vestiam os casacos e debandavam, sem aguardarem a tradicional ordem.

Desconheço o que se passava noutros departamentos, no meu, o chefe – que gostava de falar bonito – vendo a balbúrdia e sentindo-se inerme, passou a dizer no final do serviço "Os bem-comportados podem sair..."

Passaram-se mais de quarenta anos, hoje, ao ver carros estacionados nos passeios, peões e automobilistas a desrespeitarem semáforos e desrespeitos constantes à autoridades, fico a cogitar, de mim para mim: as leis, os deveres, são só para os "bem-comportados".

Quem é cumpridor, leal e respeitador é taxado, normalmente, por lorpa. Como se ser educado, cumpridor e respeitador, fosse defeito. Defeito que pode levar os íntegros a Rilhafoles.

Estando a conversar com amigo sobre o assunto, este saiu-se com boa: na sua firma há trabalhadores respeitadores e honestos, mas também serelepes provocadores, que geram conflitos e desestabilizam.

Estes, raras vezes são repreendidos, nem sofrem processos disciplinares.

Todavia, quando o respeitador realiza infração, é-lhe aplicado castigo severo.

Perguntei-lhe atónito: “Por que não lhe relevam a falta?”

Fiquei varado ao escutar: "Dizem que é para servir de exemplo para os indisciplinados!..."

Conclui-se: nos tempos que correm, ser bom, obediente e educado, não só passou de moda, como passou a ser defeito crasso.

Assim caminha o mundo, com sociedade que inverteu valores.

Título e Texto: Humberto Pinho da Silva, abril de 2022 

Anteriores: 
Os amores de Salazar 
Que ingratidão!... 
Em ditadura ou democracia é mister ter "padrinhos" 
Instruir é o mesmo que educar? 
Uma parábola edificante 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-