sábado, 13 de agosto de 2022

[Pernoitar, comer e beber fora] O Trilho – Bom pra quem gosta do Saara

Fica em Abrunheira, Sintra.

Lá estivemos, o casal LT/HT e eu, numa noite de verão de 2022.

Ela pediu “Espetada à Madeira”; ele, “Naco dos Açores”. E eu, “Lombinhos de javali na brasa”.




Provei a espetada e o naco. Estavam muito bons, sim.

Os meus lombinhos talvez pudessem estar menos passados e, por conseguinte, mais macios…

A comida estava boa, sim senhor.

O atendimento, bof!, displicente, sem pegada.

Um televisor ligado, uma inutilidade existente em muitos restaurantes.

No banheiro masculino NÃO havia toalhas para secar as mãos, antes mesmo de começarmos a jantar! E assim permaneceu até à nossa saída.

O vinho da casa, Monte das Servas, bom! 


E, mais uma vez, vivenciamos o trauma de grande parte dos restaurantes deste burgo à beira-mar plantado, com o ar refrigerado. Explico: os aparelhos existem, às vezes até ligados, até que algum(a) pentelho(a) pede para desligar. Se desligados, quando se pede para ligar, ou não funcionam (vai ver, há meses), ou é aquela cara feia. No Trilho, assistimos, à direita da nossa mesa, a uma mocinha ligando o aparelho, até um outro funcionário desligá-lo. À nossa frente havia um aparelho, que pedimos para ligar. Imediatamente sentimos o alívio. E eu pedi uma outra garrafa de vinho “pois que no fresquinho dá para beber outra”. O atendente recebeu o pedido, hesitou, pois que voltou segundos depois perguntando se era brincadeira… 😊

Como a gente, o casal e eu, preferimos, de longe, comer rezando do que comer suando… bye bye, Trilho!


Tripadvisor 
Site

Anteriores: 
O Cabanense 
[Pernoitar, comer e beber fora] Júlia Duarte 
Café Almada, de novo 
Cachorrinhos da Gazela 
Retiro do Capitanga, de novo! 
Hippopotamus, o da Gare du Nord 
[Pernoitar, comer e beber fora] Le Léon de Bruxelles, que não é mais de Bruxelas…

Um comentário:

  1. Nos primeiros anos desta década, 2020, fui com parte da família à Barra Brasa (atualmente Rio Brasa). Um detalhe no atendimento chamou a nossa atenção: eles disponibilizavam casacos de malha para quem sentisse frio. A namoradinha do filho pediu um. Foi entregue num saquinho de plástico.
    Quem quisesse levá-lo para casa pagaria 28 reais – lembro até hoje o valor que paguei. 😊

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-