quinta-feira, 11 de maio de 2017

[Aparecido rasga o verbo] De “Estrela a Planeta”, como de “Lampião a Chico Xavier”, um pulo para quem sempre foi eterno

Aparecido Raimundo de Souza

Recentemente estivemos no Rio de Janeiro, para os funerais de um grande amigo. Almir Guineto, obituado no dia 5 deste mês de maio. Menos de uma semana depois, retornaremos (de Curitiba, no Paraná) diretamente para o Cemitério do Caju, para participarmos do derradeiro adeus ao veterano Nelson Xavier, batizado NELSON AGOSTINI XAVIER, nascido em São Paulo nos idos de 1941 aos 30 de agosto.


Nelson faleceu em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, nas Minas Gerais, de complicações respiratórias, em face de um câncer de próstata que perdurou por quatorze longos anos.

Com esse passamento inesperado, o artista deixa enlutada a esposa Via Negromonte, cantora, com quem viveu vinte e quatro anos, e as ex-esposas Joana Fomm, atriz, e a jornalista Heloisa Villela, além dos filhos Sofia Helena Xavier, Anna Xavier, Tereza Villela Xavier e Pedro Xavier.

Nelson, além de ator e diretor, também se dedicou ao ofício de escritor. Viveu nos cinemas “Lampião e Maria Bonita” e, por último, “Chico Xavier”. Na literatura, nos deixou a peça “Mutirão Em Novo Sol”, em parceria com Augusto Boal, livro publicado em 2010 pela Editora Expressão Popular. 


Atuou em mais de vinte novelas, filmes e várias minisséries entre elas, em destaque, “Os Deuses e os Mortos”, “A Culpa”, “Dona Flor e Seus Dois Maridos”, “A queda”, “O Mágico e o Delegado”, “O Testamento do Sr. Nepomuceno”, “Tenda dos Milagres”, “O Pagador de Promessas”, “A Despedida”, e “As mães de Chico Xavier”, entre outros.

Conforme escreveu na sua página no Facebook horas atrás, sua filha Teresa Villela Xavier, seu pai “já era uma Estrela e agora, virou Planeta”.


Amanhã, estaremos de volta ao Rio de Janeiro, ou mais precisamente ao Cemitério do Caju, para nos despedirmos desse ícone da dramaturgia brasileira (mais de cinquenta anos de carreira) e, em particular, nosso grande e inesquecível companheiro.   


Descanse em paz, meu amigo Nelson. Que seu caminho, no andar de cima seja como foi aqui na terra, nesses setenta e cinco anos de existência. Repletos de muita, muita luz.

Paz.
Seu eterno fã,
Aparecido
Título, Imagens e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista. De Curitiba, no Paraná. 10-5-2017 

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-