domingo, 16 de fevereiro de 2020

[As danações de Carina] Balada incerta

Carina Bratt

De repente, os seus olhos ficaram mais distantes. Se apartaram de perto de mim, se arredaram, se expandiram, fugiram para bem longe. Penso, mesmo, que me descartaram, me excluíram como se eu fosse uma muda de roupas velhas da qual se cansou e parou de usar.

O aceno, que veio de roldão, foi doído, magoou, me causou um leque enorme de entristecimentos e melindres e, claro, outro tanto de desolações e deprimências. Os seus olhos, que me diziam em observações longas e meigas, mais que mil palavras bonitas, avassaladoras, num instante fugaz se divorciaram dos meus.

Sob ângulos estranhos, desacasalaram, seguindo solitários por caminhos opostos, contrariando toda uma vida à dois, uma existência promissora, recheada e cheia de sonhos ainda não realizados. Quimeras que vínhamos construindo de mãos dadas, no roçar cotidiano dos corpos sintonizados no mesmo mormaço e no quentinho da cama companheira que nos acolhia em abraços por tantos anos de noites seguidas pela presença marcante da felicidade plena,  beatitude absoluta, atulhada por sua vez, de um gostar pegajoso que a cada segundo se renovava dentro de nós como ondas do mar beijando as areias da praia.

Apesar disso, você se foi. Se foi. Se desprendeu, se soltou das amarras, das cordas que nos retinham, dos elos das correntes que nos colocavam sempre em direção aos mesmos horizontes. Com isso, eu fiquei parada, estática, a contemplar o nada subversivo, o vazio grotesco, o desconhecido gordo de nosso calor...


Retardei minhas horas ainda a serem consumidas, me perpetuei ali, como uma árvore em final de vida, remoendo as palavras frias e gélidas, as suas palavras congeladas e insensíveis que me foram ditas assim, num instante nervoso e inflamado do adeus. Na verdade, do seu adeus. Não do meu...

Nunca teria a coragem suficiente de lhe dizer adeus, ou um vazio e desastroso até breve. Tampouco hospedaria em seu coração, o regelado de um “estou indo embora, por isso, ou por aquilo, não se preocupe, jamais voltarei. Vamos dar uma pausa”. No amor não há pausas, desvios, desvão, linhas secundárias. Apenas um eco destoado, como uma balada que chegou berrando, destroçando as ideias originais das canções compostas por Chopin.

No amor, não tem essa de “tempo”. Você com essa prematuridade esquálida da partida, criou, em derredor de mim, não só de mim, de nós, uma friagem imensurável, uma invernia que se quadruplicou a cada passo que deu em direção à distância que ficou mais pulsante. Recordo que permaneci parada, acuada, olhando para o nada que se transformou num tudo intransponível.

Ao sabor da  desinquietação me vi prendida, pernas e braços, alma e recôndito, trêmula, apavorada, posta para fora do meu mundinho particular, desalojada, sem eira nem beira, banida, arredada, desviada, varrida, afugentada do chão que pisava, escorraçada, abandonada  ao infinito, tal como um avião sem piloto à deriva, voando em câmera lenta num céu de brigadeiro e um oceano imenso de nuvens  brancas e insanas.

Meu Deus! Que situação degradante, um afrontoso oprobrioso, quase abissal.  Você se foi e eu fiquei ausente de mim... Completamente fora do meu eixo, seminua de atitudes, notadamente do que fazer. 

Não me vejo mais florescendo, não me sinto mais renascendo como uma rosa em botão que se abria sempre no jardim do seu eu interior... 

Faz tempo, não sou mais como aquela menina cachoeira moça-mulher feita que se encharcava, que se saciava, que se avolumava, quando me deitava. Quando nos amávamos. Virei tantas loucuras mirando lugar nenhum...

Hoje, agora, nesse momento sou corpo frágil, alma em desordem, esqueleto de ossos fracos. Por algum motivo inexplicável, ainda em pé, talvez, não sei, evitando a minha derrocada final.
Título e Texto: Carina Bratt, de Salvador, na Bahia. 16-2-2020

Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-