segunda-feira, 29 de março de 2021

Bispos abelhudos – A nota desastrosa do Regional Sul 2 contra o tratamento precoce da COVID-19

FratresInUnum.com

Os bispos e essa sua mania meter o focinho onde não são chamados!… O clericalismo anda a solta na Igreja do Brasil e, com ele, esta mania desgraçada de sempre querer pôr a colher e dar palpite em assuntos que extrapolam a sua alçada.

Imagem: Gazeta do Povo

Os bispos precisam entender uma coisa simples: quando o assunto é medicina, química, matemática, política, futebol, culinária, eles são leigos, ou seja, devem deixar os especialistas falarem e não se meterem em polêmica. O assunto não lhes diz respeito! É simples assim

Chega a ser chocante essa dissonância, sobretudo entre estes que se gabam continuamente de serem os grandes defensores do Vaticano II, que, na Constituição Gaudium et spes propagou a ideia da “justa autonomia das realidades terrestres”, chegando a defender que “seja permitido deplorar certas atitudes de espírito que não faltaram entre os mesmos cristãos, por não reconhecerem suficientemente a legítima autonomia da ciência e que, pelas disputas e controvérsias a que deram origem, levaram muitos espíritos a pensar que a fé e a ciência eram incompatíveis” (n. 36).

Sem entrar no mérito da validade desta afirmação conciliar, é escandaloso que bispos se deem ao trabalho de arbitrar entre tratamentos médicos que não ferem a lei natural e não implicam em nenhum tipo de desordem moral. É absurdo que pastores, por pura sanha política, se coloquem numa posição pró e contra numa questão eticamente aberta e a despeito de toda e qualquer competência no assunto.

Pois foi exatamente isso que fez o Regional Sul 2 da CNBB, que abrange todo o Estado do Paraná. Os bispos tiveram a coragem de, mesmo reconhecendo que “as entidades constituídas por tais estudos” (do que se trata isso?, os estudos agora constituem entidades?, que entidades são estas, que foram constituídas por estudos?, que estudos as teriam constituído, sejam elas quais forem?) “não chegaram a uma comprovação científica” e que não existe “recomendação unívoca” por sociedades médicas, dizer solenemente: “afirmamos que o ‘tratamento precoce’ não é opção e orientação da Igreja Católica no Regional Sul 2 da CNBB”. 

Estarrecedor! Isso, sim é o que podemos chamar de obscurantismo! Onde já se viu que, em pleno agravamento de uma pandemia, bispos venham declarar que as suas dioceses têm opção por este tratamento em detrimento daquele?… Chegamos ao suprassumo do desvario por parte dos nossos bispos.

Pior, a nota se conclui com um non sense gritante: depois de conclamar aos “cuidados de prevenção contra o contágio” (entenda-se: “fica em casa!”), terminam com uma frase de Nosso Senhor: “vinde a mim, todos os que estais cansados etc.”, enquanto eles trancam as Igrejas e privam os fiéis dos sacramentos, sequestrados por eles de modo clericalista. Com os seus gestos, eles estão dizendo aos fiéis: “ide, malditos, para o fogo eterno” e não “vinde a mim”. A hipocrisia grita nas próprias palavras deste vergonhoso despropósito.

O resultado de pronunciamentos indignos como este é a completa erosão da autoridade da Igreja. Em outras palavras, estes senhores não percebem que estão a cair no ridículo: como bispos, eles não têm competência para se pronunciar sobre a eficácia de terapias e, portanto, tudo o que dizem a respeito não passa de intromissão e não tem nenhum poder doutrinalmente vinculante; e, como incompetentes em medicina, não são aptos para emitir juízos que sejam clinicamente respeitáveis. Em outras palavras, a nota não passa de uma tolice cuja vergonha poderia ter sido economizada nessa crise de popularidade pela qual passa a CNBB.

Desde que Edward Schillebeeckx inventou essa história de que a Igreja e o mundo são a mesma coisa, os teólogos pararam de falar de Deus e começaram a falar de saneamento básico, política partidária, sexo, uso medicinal da maconha, ecologia ou qualquer outro tema a fim de se enturmarem melhor com as novas agendas do movimento revolucionário. E os pastores seguiram na mesma toada.

Dom Peruzzo, que também teve COVID, seria capaz de divulgar que medicamento tomou? Ou se tratou só com “ciência”, água e culto à Pachamama?

Eles preferem esvaziar seu próprio lugar de fala do que falar dos temas que lhes são próprios: a fé, os sacramentos, os mandamentos e a oração. Os fiéis à mingua, morrendo sem nenhuma palavra de conforto, sem nenhum sacramento ou ao menos uma bênção, e eles querendo protagonizar alguma lacração politicamente correta.

Os bispos deveriam parar com esse assanhamento e se conter um pouco, deveriam saber o seu lugar, deveriam ter o mínimo de bom senso e recolher-se à sua própria insignificância, naquilo em que são incompetentes. Parem de enfiar o bedelho onde não foram chamados! Parem de zarolhar! Comportem-se como homens sérios e não como um bando de palpiteiros, atirando a credibilidade do catolicismo no lixo pela sua obstinação em serem bispos abelhudos.  

Título e Texto: FratresInUnum.com, 28-3-2021

Relacionados: 
#BoicotaCF2021. Nem um centavo 
Desmoralizada, a CNBB afunda de vez a Campanha da Fraternidade
#BoicotaCF2021. Nem um centavo
Saiba quem está por trás da Campanha da Fraternidade! 
O declínio da Igreja Católica 
Por que demonizam o tratamento precoce? 
‘Dizer que o tratamento precoce não tem efeito é mentira’, afirma presidente do CFM 

Um comentário:

  1. Um simples padre diocesano
    28 março, 2021 às 11:10 pm
    Eu sou padre de uma Diocese do Regional Sul II e tomei ivermectina, e tomarei novamente, e ainda, se preciso, vou tomar cloroquina!!!!
    Esses bispos têm que entender que suas opiniões são irrelevantes nestes assuntos!!

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-