sábado, 1 de maio de 2021

Decisão autoritária’, afirma Fiuza, sobre proibição de propaganda relacionada a tratamento precoce

Colunista da Revista Oeste criticou a decisão da Justiça Federal

Edilson Salgueiro

O jornalista Guilherme Fiuza [foto] criticou a decisão da Justiça Federal em São Paulo que proibiu a Secretaria Especial de Comunicação Social do governo federal de promover campanhas publicitárias em defesa do tratamento precoce contra a covid-19. “Essa decisão é autoritária, despótica. É uma medida que vai contra a ciência”, afirmou o colunista da Revista Oeste, durante o programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan, exibido nesta sexta-feira, 30.

Segundo o jornalista, as autoridades não devem proibir o debate acerca do tema, visto que não há consenso científico que prove a ineficácia do tratamento precoce contra a covid-19. “Será que a Justiça Federal não está fugindo de sua responsabilidade de manter a liberdade da circulação de conhecimento?”, perguntou Fiuza. “A questão do tratamento precoce, que é legítima, virou bandeira política. Isso é vergonhoso, escandaloso”, sentenciou.

Título e Texto: Edilson Salgueiro, revista Oeste, 30-4-2021, 22h

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-