terça-feira, 24 de agosto de 2021

A narrativa privilegiada de Joacine

António Cândido Miguéis

Li, num jornal diário do pretérito dia 7 de agosto, uma entrevista de Joacine Katar Moreira [foto], egrégia deputada da nação multirracial que é Portugal.

Não fiquei particularmente entusiasmado com a dita entrevista. Além disso, o dito jornal publicou uma foto de Joacine de tamanho exagerado na primeira página. Foto de 29cm de altura por 16 de largura! Que se saiba, Joacine não é uma grande política, nem produziu obra que se visse.

Representa-se a si própria no parlamento visto ter entrado em conflito com a direção do minúsculo partido contestatário e muito devotado às causas fraturantes.

Na entrevista, Joacine debitou lugares-comuns que habitualmente são martelados constantemente como o racismo, a xenofobia, etc, mas lembrou-se de afirmar que (e passo a citá-la) “as origens das nossas neuroses estão nas elites” Julgo que não.

As elites de determinadas áreas e setores da sociedade é que têm tido uma paciência bovina para aturar determinadas situações, não agindo como deveriam agir. Será que Joacine pretendia dirigir esta mensagem aos cleptocratas e corruptos que estão no poder em vários países da África?

Katar Moreira, com a sua proverbial ousadia e determinação, teria forte possibilidade de assumir um cargo governativo na Guiné-Bissau, país de onde é natural. Teria a possibilidade de denunciar os privilégios da elite governativa do seu país, a corrupção e a pobreza que grassam nessa nação africana e, dessa forma, contribuiria para ajudar os seus irmãos de cor. A Guiné necessita prementemente da narrativa esclarecedora e denunciadora de Joacine.

No parlamento português, Katar Moreira só engrossa o número de deputados a mais que existem no nosso país. A Guiné-Bissau espera por Joacine. Vá, Joacine, vá até Bissau e leve as suas ideias que a podem conduzir a ministra para dar esperança aos seus irmãos que vivem na miséria, vítimas das neuroses dos seus governantes.

E não nos podemos esquecer que, efetivamente, Joacine ama imenso a sua Guiné-Bissau e por ela nutre desmesuradas e assolapadas saudades.

Título e Texto: António Cândido Miguéis, o Diabo, nº 2329, 20-8-2021

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-