sábado, 21 de agosto de 2021

[Versos de través] O Gondoleiro do amor


Castro Alves


Teus olhos são negros, negros,
Como as noites sem luar... 
São ardentes, são profundos,

Como o negrume do mar; 

Sobre o barco dos amores,
Da vida boiando à flor,
Douram teus olhos a fronte
Do Gondoleiro do amor.

Tua voz é cavatina 
Dos palácios de Sorrento, 
Quando a praia beija a vaga, 
Quando a vaga beija o vento. 

E como em noites de Itália 
Ama um canto o pescador, 
Bebe a harmonia em teus cantos 
O Gondoleiro do amor.


Título e Texto: Castro Alves

Anteriores: 
Memória 
A boneca 
Quilombos 
No cárcere 
Confrarias 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-