terça-feira, 24 de agosto de 2021

‘O Brasil vive uma ditadura de veludo’, afirma Bernardo Küster

Segundo o diretor do jornal Brasil Sem Medo, as autoridades do país promovem o silenciamento de vozes dissidentes

Edilson Salgueiro

O jornalista e diretor do jornal Brasil Sem Medo, Bernardo Küster [foto], disse nesta segunda-feira, 23, durante entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan, que o Brasil vive uma ditadura disfarçada. “As autoridades dizem defender a vida e a ciência; na prática, porém, esse discurso promove a censura de debates e o silenciamento de vozes dissidentes, impossibilitando os meios de vida de certas pessoas, como os da Bárbara Destefani”, afirmou.

Conforme noticiou Oeste, o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Luis Felipe Salomão, determinou que as plataformas Facebook, Instagram, Twitch, Twitter e YouTube suspendam o repasse de dinheiro oriundo de monetização a canais conservadores, investigados por suposta disseminação de notícias falsas sobre as eleições no Brasil. Segundo Bárbara, do canal Te Atualizei, o objetivo do TSE é sufocá-la financeiramente.

Küster, alvo de censura do Facebook, Instagram e Twitter, alega que o YouTube também passou a aderir a práticas de silenciamento. “Hoje, o jornal Brasil Sem Medo foi bloqueado pelo YouTube”, revelou. “Fomos proibidos de postar vídeos por uma semana, porque disponibilizamos em nosso canal um material informando que, após a saída das tropas norte-americanas, a capital do Afeganistão foi tomada pelo Talibã. Disseram que isso era fake news.”

Recentemente, a CPI da Covid quebrou o sigilo bancário de Küster, alegando que o jornalista é favorecido pelo governo federal para defender o tratamento precoce contra o novo coronavírus. “Dizem que recebo dinheiro para defender a cloroquina. Além disso, sou investigado por ser crítico do isolamento horizontal, que não achatou a curva de mortes nem a de contaminação”, observou. “Mas é verdade, não achatou — basta olhar as estatísticas.”

O diretor do Brasil Sem Medo questiona o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), que recentemente afirmou não haver espaço, em uma democracia, para aqueles que discordam da ciência. “Em qual parte das leis brasileiras está escrito algo assim?”, perguntou. “No momento em que Barroso defende o maravilhoso e ‘transcendental’ João de Deus, não há problema em discordar da ciência, fomentar o negacionismo.”

Segundo Küster, não é coincidência que a maioria dos países esteja adotando medidas restritivas similares, a fim de tolher a liberdade da população. “Não dá para acreditar que Brasil, Japão, Zâmbia, Portugal e Alemanha estejam impondo às pessoas medidas semelhantes por mera coincidência. Não é possível imaginar a probabilidade de isso ser verdade”, disse. “Penso que há intenções de certas pessoas em adotar medidas similares.”

Título e Texto: Edilson Salgueiro, revista OESTE, 23-8-2021, 22h

Relacionados: 
“Não querem que tenhamos opinião, diz Bárbara Destefani” 
Onde foi parar a democracia? 
Brasileira, Brasileiro, pense bem... 
Leia o pedido de impeachment de Bolsonaro contra Moraes 
Supremo Talibã Federal 
O fim da liberdade de expressão no Brasil 
"Num Estado Livre, todos os homens podem pensar o que querem e dizer o que pensam." Não é o que ocorre no Brasil, por obra e graça do STF
Uma pergunta para J.R. Guzzo - O que você achou da prisão de Roberto Jefferson?
Sempre!
Advogados entram com representação criminal contra Alexandre de Moraes 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-