sábado, 24 de julho de 2021

[Versos de través] No cárcere

Olavo Bilac

Por que hei-de, em tudo quanto vejo, vê-la? 
Por que hei-de eterna assim reproduzida 
Vê-la na água do mar, na luz da estrela, 
Na nuvem de ouro e na palmeira erguida?

Fosse possível ser a imagem dela 
Depois de tantas mágoas esquecida!.. 
Pois acaso será, para esquecê-la, 
Mister e força que me deixe a vida?

Negra lembrança do passado! lento 
Martírio, lento e atroz! Por que não há-de 
Ser dado a toda a mágoa o esquecimento?

Por quê? Quem me encadeia sem piedade 
No cárcere sem luz deste tormento, 
Com os pesados grilhões desta saudade?


Título e Texto: Olavo Bilac

Anteriores: 
Confrarias 
A volta do boêmio 
De joelhos 
Florbela Espanca 
Conto de fadas 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-