sexta-feira, 23 de julho de 2021

[Foco no fosso] Esquentando a revolta

Haroldo Barboza

Motivos para revolta

Num ciclo de quatro anos, durante três anos e onze meses, os políticos nos ignoram. Apenas se concentram em arquitetar planos engenhosos de compras e obras inócuas com participação de empresas fantasmas pertencentes a parentes e parceiros que geram notas fiscais nebulosas. Os valores combinados rapidamente passam às contas bancárias destas “empresas” e se dissolvem por algumas “coligadas” para dificultar futuros rastreamentos.  

No mês que completa o ciclo (4º setembro), tornam-se simpáticos defensores das demandas populares e anunciam falácias (as mesmas de seus antepassados) sonhadoras sabendo que os eleitores domesticados pela cuidadosa lavagem cerebral virtual, lhes concederão os votos para que continuem no “extenuante” trabalho em busca do crescimento (da miséria) da nação.

Para seu próprio crescimento, a confraria dos pilantras aprimora o revezamento do poder de seus integrantes criando um amplo menu de escolha, contendo dezenas de mentes podres ornamentadas com belas asas angelicais. Em troca pelos votos, criam “leis” que garantem penduricalhos para triplicar seus salários.

E assim vamos alargando o cinturão da miséria que nos sufocará em quinze ou vinte anos, acendendo o pavio da caldeira da degradação popular. A cada proximidade do pico da “indignação” contra uma barbaridade que nos denigre, habilmente geram um novo evento (do adversário partidário) para desviar o foco das “investigações”. E a cada CPI (que eventualmente condena um “boi de piranha”) concluída depois de R$ milhões gastos na sua condução, NENHUM centavo desviado retorna aos cofres públicos.

Em plena crise de desemprego, educação falida, saúde contaminada e segurança pública esgarçada, eis que chancelam uma verba de quase R$ 6 BILHÕES para suas c(h)ampanhas eleitorais, sob o manto das “impenetráveis” urnas eletrônicas. Imaginemos metade disto aplicado na defesa da Amazônia. A outra metade, no combate ao tráfico de armas.

Mas o povo “esclarecido” está pronto para ir às ruas manifestar sua indignação incontida numa das seguintes situações:

- falta de novelas por uma semana;

- falta de mulatas rebolando nos ensaios das escolas de samba;

- seleção brasileira ser eliminada na 1ª fase da copa do mundo em 2022;

- cerveja sem espuma no copo;

- aumento da carga escolar para nossos cansados jovens.

Título e Texto: Haroldo Barboza, 23-7-2021

Anteriores: 
A 4ª “onda” pode chegar em agosto 
Embromações - capítulo 5 (final) 
Embromações - capítulo 4 
Embromações - capítulo 3 
Embromações - capítulo 2 
Embromações - capítulo 1 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-