segunda-feira, 11 de abril de 2022

Eleições na França: Marine Le Pen e Macron vão disputar o 2° turno

Queda de braço ocorre em 24 de abril

Cristyan Costa

As eleições na França vão ter um segundo turno entre o presidente Emmanuel Macron e Marine Le Pen, deputada da Assembleia Nacional Francesa. Neste domingo, 10, o chefe do Executivo conseguiu quase 28% dos votos, enquanto a direitista teve 24%, conforme as mais recentes pesquisas boca de urna.

Foto: Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo

O levantamento do Instituto Ipsos-Sopra Steriam mostra o seguinte resultado:

1.       Emmanuel Macron (República em Marcha!): 28%;

2.       Marine Le Pen (Reagrupamento Nacional):  24%;

3.       Jean-Luc Mélenchon (França Insubmissa): 20%;

4.       Éric Zemmour (Reconquista): 7,5%;

5.       Valérie Pécresse (Republicanos): 5%;

6.       Yannick Jadot (Verdes): 4,5%;

7.       Jean Lassalle (Vamos Resistir!): 3,5%;

8.       Fabien Roussel (Partido Comunista Francês): 3%;

9.       Nicolas Dupont-Aignan:  2,5%;

10.   Anne Hidalgo (Partido Socialista): 2%;

11.   Nathalie Arthaud (Luta Operária): 0,8%;

12.   Philippe Poutou (Novo Partido Anticapitalista): 0,7%.

Le Pen

Em um discurso logo depois da divulgação das pesquisas, Le Pen disse que será “a presidente de todos os franceses” e que irá curar as divisões da França, se for eleita. “O que acontecerá no dia 24 de abril será uma escolha da sociedade e até da civilização”, declarou a líder da direita do país.

Macron

Macron, que discursou um pouco mais tarde, pediu aos eleitores franceses que votem nele para impedir a “extrema direita” e disse que a França e a Europa estão num momento decisivo. “Nada está decidido ainda”, afirmou.

O que esperar das eleições na França

A segunda etapa da disputa pelo Poder Executivo ocorrerá em 24 de abril. Nas próximas duas semanas, os candidatos perdedores devem manifestar apoio a Le Pen ou a Macron. Durante a sua campanha, o presidente jogou a cartada da mediação entre Kiev e Moscou da estabilidade de um presidente pró-europeu.

De direita, Le Pen apostou na figura de uma defensora das classes populares e da recuperação econômica, diante de um Macon “presidente dos ricos” e impopular em virtude de reformas que não agradaram sobretudo a classe média, além de uma agenda verde que se opõe aos combustíveis fósseis.

Título e Texto: Cristyan Costa, revista Oeste, 10-4-2022, 19h03

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-