quarta-feira, 6 de abril de 2022

Lira defende debate sobre privatização da Petrobras

Presidente da Câmara critica a política de preços baseada no mercado internacional

Wagner Kotsura

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP) [foto], defendeu nesta terça-feira, 5, a revisão da Lei das Estatais e a possível privatização da Petrobras. Segundo ele, esse debate torna-se especialmente necessário depois que os indicados pelo Palácio do Planalto para a Presidência da empresa e para a Presidência do Conselho de Administração desistiram.

Lira discutiu o assunto numa reunião com líderes partidários, o que demonstra a importância que pretende destinar à questão. Ressalvou que ainda não existe nenhuma definição ou planejamento para colocar o tema formalmente num projeto, nem adiantou qual mudança virá a propor.

“Há a necessidade sim, clara, de o Congresso debater para ver a possibilidade de mudar alguns tópicos da Lei das Estatais, inclusive tratando claramente da privatização dessa empresa.” Esse processo, destacou, deve levar em consideração que a Petrobras, além de ser uma Sociedade Anônima com ações negociadas em Bolsa, é uma empresa do governo, seu acionista majoritário.

Petrobras exige conhecimento

Lira reclamou que a Lei das Estatais praticamente torna inviável a presença em sua Presidência de qualquer pessoa com experiência no setor, pelas restrições impostas aos relacionamentos profissionais normalmente construídos no exercício dessas funções. Como comparação, citou o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que vieram do mercado financeiro e não enfrentaram obstáculos legais, em função desse passado, para chegar aos atuais cargos.

Como exemplo de alguém distante da realidade da área petrolífera, Lira referiu-se ao general Joaquim Silva e Luna, afastado da Presidência da Petrobras por decisão do presidente Jair Bolsonaro. “Você vai falar o que do Luna? Que é um homem ruim? Não. Que é um homem desonesto? Não. É um homem correto? É. Entende de petróleo e gás? Como foi a audiência pública dele aqui na Câmara? Foi pífia, ele não entende de petróleo e gás.”

Para o lugar de Luna, Bolsonaro indicou o economista Adriano Pires, que aguardava a Assembleia Geral de acionistas no próximo dia 13 para ser confirmado no posto. Porém, diante das dificuldades que encontrou para se enquadrar na Lei das Estatais em função de suas anteriores atividades privadas, optou por desistir.

No caso do Conselho de Administração, o escolhido foi Rodolfo Landim, igualmente originário de consultorias ligadas ao petróleo e gás na iniciativa privada. Alegou suas responsabilidades como presidente do Flamengo, num momento em que o clube exige sua presença e dedicação, impedindo-o de cumprir a missão na Petrobras conforme gostaria.

Os dois lugares permanecem à espera de novas indicações. Com o prolongado impasse após as desistências, começa a crescer a possibilidade de retirada da pauta da Assembleia Geral do dia 13 do item relativo às eleições para o Conselho de Administração e para a Presidência da Petrobras. Uma saída que pode interessar ao governo, que teria mais tempo para encontrar os nomes ideais. Nessa hipótese, o general Joaquim Silva e Luna teria de adiar sua despedida.

Título e Texto: Wagner Kotsura, revista Oeste, 5-4-2022, 21h21  

4 comentários:

  1. Lincoln Marcelo Pacheco de Menezes Veras6 de abril de 2022 12:06

    Oportunismo de plantão, a meu ver o grande entrave não é privatizar ou não e sim a população ganhar em real e comprar combusteis em dólar. Lógico que a questão é mais complexa e requer grande debate.

    ResponderExcluir
  2. Muito conveniente agora, em época de eleição, o Pacheco querer discutir privatização, sendo que até o presente momento estava enrolando e fazendo vista grossa para assuntos aclamado pela população.
    Típico costume de político medíocre que o Congresso Nacional ostenta.

    ResponderExcluir
  3. Se tivéssemos um povo de visão, de coragem, de sangue nas veias, de colhões, esses pilantras do puteiro conhecido como "Cama dos deputas", perdão, Câmara dos Deputados", já teriam tomado uma surra memorável, de vara de marmelo, até suas bundinhas ficarem avermelhadas como tomates. Nossos parlamentares careceriam mais: tomar igualmente uns bons tabefes nas caras lavadas, perdão, nas fuças desavergonhadas para aprenderem que o povo não é otário. Contudo por medo de serem presos, perseguidos, processados e até mortos, preferem a hospitalidade benfazeja de um trocinho filho da puta chamado ANONIMATO.

    Aparecido Raimundo de Souza
    de Sertãozinho, interior de São Paulo

    ResponderExcluir
  4. Faço minhas as palavras de Aparecido. Esses ladrões do povo, seja do Congresso, e de outras pocilgas, deveriam apanhar na cara, no rabo, nas costas, para tomarem vergonha. Mas o brasileiro só é corajoso, vira macho, faz arruaça, quando vai para os estádios de futebol. Lá ele grita, berra, late, uiva, faz arruaças pelo seu time. Afora isso, se cala, mete o rabinho entre as pernas. Por isso, os nossos picaretas de Brasília, fazem o que querem. Mudanças? Quando as galinhas criarem dentes.
    Carina Bratt
    Ca
    Sertãozinho, interior de São Paulo

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-