domingo, 22 de novembro de 2020

[Versos de través] Perseguição

Avelino de Souza

Se de mim, nada consegues
Não sei por que me persegues
Constantemente na rua
Sabes bem que sou casada
Que fui sempre dedicada
E que não posso ser tua

Lá por que és rico e elegante
Queres que eu seja a tua amante
Por capricho ou presunção
Ah, eu tenho o marido pobre
Que possui a alma nobre
E é toda a minha paixão

Rasguei as cartas sem ler
Nem nunca quis receber
Joias ou flores que trouxesses
Não me vendo, nem me dou
Pois já dei tudo o que sou
Com amor que não conheces

Não me vendo, nem me dou
Pois já dei tudo o que sou
Com amor que não conheces



Anteriores:

Se tanta pena tenho merecida
O meu primeiro amor
Descalça vai para a fonte
Verdes são os campos
Da minha juventude

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-