sábado, 14 de novembro de 2020

[Versos de través] Descalça vai para a fonte

Luís de Camões 

Descalça vai para a fonte
Lianor pela verdura;
Foto: Júlio Limpinho

Vai fermosa, e não segura.

Leva na cabeça o pote, 
O testo nas mãos de prata,
Cinta de fina escarlata,
Sainho de chamelote;
Traz a vasquinha de cote,
Mais branca que a neve pura.
Vai fermosa e não segura.

Descobre a touca a garganta,
Cabelos de ouro entrançado
Fita de cor de encarnado,
Tão linda que o mundo espanta.
Chove nela graça tanta,
Que dá graça à fermosura.
Vai fermosa e não segura. 


Anteriores:
Verdes são os campos 
Da minha juventude
Honras ao Poeta
Buscando (eu) escritor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-