sábado, 13 de março de 2021

Manipuladores contra a liberdade de expressão

Não há contradição entre desprezar indivíduos por suas visões repugnantes e, ao mesmo tempo, defender seu direito de expressá-las

Rodrigo Constantino

As redes sociais surgiram como plataformas neutras para dar voz a quem quer que fosse, mas com o passar do tempo passaram a instrumentos de manipulação pela esquerda, com direito a perseguição velada ou escancarada de conservadores. Foi a eleição de Trump em 2016 que acendeu todas as luzes de alerta para as Big Techs, e o establishment, percebendo a perda do controle do debate, passou a pressionar essas empresas para que agissem como censores e filtrassem os “discursos de ódio” da direita.

Em síntese, essas grandes plataformas, como Twitter, YouTube e Facebook, tornaram-se manipuladores numa guerra contra os conservadores. É o que sustenta, com bastante embasamento, Peter J. Hasson em The Manipulators. A mídia mainstream, o Partido Democrata e a academia seriam instituições com visão estreita de mundo, porém arrogantes, e dispostas a impor essa visão limitada aos demais, considerados “deploráveis” por eles.

O controle da esquerda sobre a educação e a mídia tem sérias consequências para a vida dos norte-americanos comuns, conforme o autor. É desse modo que ideias como “masculinidade tóxica”, “privilégio branco” e “pronomes neutros” vazam para o discurso dominante: elas germinam nos escritórios de acadêmicos da extrema esquerda, migram para as redações de notícias e editoriais do The New York Times, encontram eco nas mentes dos políticos democratas e, em seguida, são estampadas no currículo obrigatório da sua escola local.

O advento das redes sociais serviu para furar essa bolha, quebrar esse monopólio da esquerda, e é contra isso que estão reagindo. Os cidadãos comuns se viram “empoderados” para expressar suas opiniões, reportar eventos e atingir uma ampla audiência sedenta de uma visão alternativa. Os “intelectuais” não gostaram do resultado, e desde então vêm tentando manipular o debate para um resgate da hegemonia “progressista”.

A postura predominante nessas redes sociais é análoga a uma seita, com direito a hereges, pecados, expurgo e salvação. Se acontecer de você ver o mundo de uma maneira diferente, se você for um liberal clássico ou libertário ou mesmo, cruzes, um conservador, se você acredita que uma universidade é um lugar onde qualquer ideia, por mais repugnante que seja, pode ser debatida e refutada, você não está apenas errado, você é imoral e precisa ser ou calado para sempre, ou enviado para a reeducação forçada.

O perigo é essa intolerância mascarada de tolerância levar a ações violentas em nome da paz. Claro, quando você acredita que o discurso que se opõe ao seu ponto de vista é uma forma de violência em si, então você pode justificar a violência real — ou a censura — como uma questão de autodefesa. Aqueles que adotam os métodos fascistas se sentem com a consciência tranquila por se enxergarem como antifascistas.

Uma resposta honesta à eleição de 2016 do establishment “progressista” de esquerda teria sido perceber que os conservadores têm sucesso on-line porque apresentam um ponto de vista alternativo que muitos norte-americanos querem ouvir e que a grande mídia exclui em boa parte. Em vez disso, diz Hasson, eles declararam guerra a Trump e seus apoiadores. A grande mídia tornou-se um braço de propaganda do Comitê Nacional Democrata, e a multidão esquerdista se voltou para os gigantes das Big Techs e exigiu que eles silenciassem as vozes da direita.

O autor expõe vários fatos e declarações de funcionários do alto escalão dessas plataformas para corroborar sua crítica, e não resta nenhuma dúvida: essas empresas estão usando seus algoritmos e às vezes o arbítrio subjetivo de suas equipes de “censores” para filtrar conteúdo com base na visão política e ideológica, sem nenhum critério objetivo ou transparente.

A menos que sejamos capazes de falar o que pensamos, não podemos inovar

Os esquerdistas não precisam banir todos os conservadores das mídias sociais; eles só precisam dominar as redes sociais da mesma forma que dominam a mídia tradicional, mantendo um simulacro de pluralismo. Funcionários já revelaram que é mais fácil ser um marxista do que um republicano nessas empresas, e que o ambiente de trabalho é bastante hostil a conservadores. Com base nesse viés, eles mascaram com os slogans de combate às fake news e aos “discursos de ódio” o que é, na prática, pura perseguição ideológica.

Na mesma linha de denúncia a esse ataque à liberdade de expressão, Andrew Doyle lançou o pequeno livro Free Speech and Why It Matters. Ele aborda mais a situação britânica, mas o alerta serve para o mundo todo. Ao longo da última década, muitas pessoas detectaram um padrão de pequenas mudanças em nossa cultura, diz ele, uma espécie de reconfiguração gradativa em desacordo com nossos direitos conquistados a duras penas de autonomia pessoal. Entre 2014 e 2019, quase 120 mil “incidentes de ódio não criminais” foram registrados por forças policiais na Inglaterra e no País de Gales, para se ter ideia.

Quando aqueles que anseiam por uma sociedade mais justa também clamam por censura, nós nos vemos presos em terreno desconhecido. Como devemos reagir quando as pessoas que desejam nos privar de nossos direitos acreditam sinceramente que o estão fazendo para nosso bem? A oposição à liberdade de expressão nunca desaparece, razão pela qual deve ser novamente defendida a cada geração. É um privilégio que foi negado à esmagadora maioria das sociedades na história humana. E ela morre quando o povo se torna complacente e considera suas liberdades garantidas.

Doyle usa o caso de Galileu para lembrar que as “heresias” de hoje podem ser as certezas de amanhã, e que por isso mesmo devemos ser mais humildes e mais tolerantes com os discursos dos outros, mesmo quando nos parecem absurdos. O autor não poderia destacar mais a importância dessa liberdade: para ele, a liberdade de expressão é o pilar de nossa civilização. E esse pilar está hoje ameaçado.

Em sua opinião, a liberdade de expressão é um princípio que transcende as noções de “esquerda” e “direita” porque todas as formas de discurso político dependem de sua existência. Sim, pessoas desagradáveis ​​tendem a usar seu discurso para apresentar ideias reacionárias ou asquerosas, mas o direito humano que lhes permite fazer isso é precisamente o mesmo que nos permite contra-atacar.

A liberdade de expressão é a medula da democracia. Sem ela, nenhuma outra liberdade existe. É detestada por tiranos porque dá poder a seus súditos cativos. É vista com desconfiança pelos puritanos porque é a fonte da subversão. A menos que sejamos capazes de falar o que pensamos, não podemos inovar ou mesmo começar a dar sentido ao mundo.

Hoje, Doyle reconhece que a oposição mais firme contra a censura vem de comentaristas de direita, mas lembra que há algumas décadas não era assim. Quem está no poder faz toda a diferença, e por isso mesmo os defensores da liberdade de expressão precisam se descolar de sua defesa por alianças políticas, e passar a defendê-la com base apenas em princípios.

Historicamente, a censura foi sempre decretada pelo Estado, mas com a ascensão das mídias sociais como a praça pública de fato, as grandes corporações de tecnologia agora têm domínio sobre os limites aceitáveis ​​do discurso popular. E é aí que mora o perigo moderno. É por isso, diz ele, que o argumento de que as empresas privadas devem ser livres para discriminar à vontade não é mais persuasivo ou viável. Elas afirmam ser plataformas comprometidas com o princípio da liberdade de expressão e, ao mesmo tempo, se comportam como editores que buscam impor limitações às opiniões que podem ser expressas.

Quem sai em defesa da liberdade de expressão e contra a censura, porém, acaba sendo misturado aos extremistas e radicais que querem apelar para essa liberdade somente para espalhar bizarrices. “Defender a liberdade de expressão significa defender os direitos daqueles cujo discurso desprezamos”, lembra o autor. Ideias incontroversas não requerem tal proteção. Supor que defender o direito de expressão de outra pessoa é uma forma de aprovação de seu conteúdo é um erro grave que desencoraja muitos de nós a defender o princípio.

Não há contradição em desprezar indivíduos por suas visões repugnantes e, ao mesmo tempo, defender seu direito de expressá-las. É esse conceito e esse princípio que estão faltando hoje para muitos poderosos que comandam as “praças públicas” da era moderna.

Título e Texto: Rodrigo Constantino, revista Oeste, 51, 12-3-2021, 9h20

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-