sexta-feira, 8 de abril de 2022

Sem exibição diária, Cine Odeon acompanha o esvaziamento do Centro do Rio

O Odeon sofre com a decadência do Centro da cidade. A bela fachada e a arquitetura rebuscada do seu interior contrastam com a sujeira das calçadas e a algazarra produzida pelos moradores de rua

Patricia Lima

O encerramento das exibições diárias de filmes no Cine Odeon, na Cinelândia, no Centro do Rio, deixou muitos amantes da 7ª arte sem mais um espaço para o deleite cultural. Quem não ficou ansioso para assistir a algum filme do Festival do Rio ou do Festival Varilux de Cinema Francês, no Odeon, não faz ideia da felicidade que era ter contato com produções de alto padrão e que não eram exibidas nos cinemas comerciais.

A Cinelândia e o Odeon, mais do que uma praça e um cinema, formam um casal cultural e simbólico no imaginário carioca. Falar em ambos, é falar também em política e arte, nas telas e nas ruas.

Assim como Cinelândia, o Odeon sofre com a decadência do Centro da cidade. A bela fachada e a arquitetura rebuscada do seu interior contrastam com a sujeira das calçadas e a algazarra produzida pelos moradores de rua, que tornam uma missão desagradável passar pela frente do Odeon.

Inaugurado em 1926, o Odeon é o mais antigo cinema da cidade ainda de pé. Pertencente à rede Kinoplex, desde outubro de 2020, não conta com sessões diárias de filmes, apenas recebendo grandes eventos, quando acontecem. Afora isso, o espaço fica fechado.

O encerramento das atividades do Odeon representa apenas mais um triste capítulo do esvaziamento cultural do Rio de Janeiro, que já perdeu a maior parte dos cinemas de rua, teve vários teatros fechados e, ainda tem que assistir à degradação das carcaças do Teatro Vila Lobos (Maravilhoso!) e do histórico Canecão.

Dois irmãos mais novos do Odeon não suportaram as pressões das mais variadas mudanças que afetaram a forma das pessoas se relacionaram com o conteúdo cinematográfico. Os cinemas Roxy e Joia, ambos em Copacabana, também não resistiram e foram tragados pela crise produzida pela fatídica pandemia de Covid-19. É bom que se diga que esses cinemas eram as últimas salas tradicionais em funcionamento no bairro, que já contou com vários cinemas de rua, inclusive o inesquecível Rian.

Em entrevista ao jornal O Dia, a gerente de Marketing do KinoplexPatricia Cotta, apontou o esvaziamento do centro como o deflagrador do esvaziamento do Odeon. Segundo Cotta, “o cinema já não apresentava um resultado positivo, mostrando-se um espaço exclusivamente para eventos, quesito no qual ele funciona muito bem.”

Para Patrícia Cotta, o fato de o Odeon não ter mais exibições diárias não representa uma perda cultural, uma vez que os eventos, quando realizados, são abertos ao público. “O cinema não foi fechado para o público. Muito pelo contrário. Mantivemos a operação para preservar a cultura e apenas adaptamos o formato com eventos que, em sua maioria, são abertos a todo o público,” ressaltou a gerente de Marketing do Kinoplex.

Se passar em frente ao Odeon de dia já uma aventura, à noite é um verdadeiro safari. Quem diria que a ‘Maratona Odeon’, que atraía os cinéfilos corujões e começava à meia-noite, seria apenas mais uma lembrança, entre tantas que passaram a compor o imaginário de perda cultural e saudade do carioca. Precisamos revitalizar culturalmente o Rio. Chega de saudade!

Título e Texto: Patricia Lima, Diário do Rio, 8-4-2022

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-