quinta-feira, 27 de outubro de 2022

[Daqui e Dali] Ser doutor é necessário

Humberto Pinho da Silva

Acabo de saber que minha neta Margarida, recebeu lindo diploma, por ter concluído o "curso", no Jardim-de-infância.

Teve direito a tudo: chapéu de formada e passeio de finalista, por dois longos dias.

O ensino está tão divulgado – e ainda bem – que até as menininhas imitam os que concluem licenciatura.

Dizia Marden, e com razão: "Dá-se mais importância ao diploma, que representa sabedoria fictícia, do que à verdadeira sabedoria sem garantia do diploma." (1)

Se no tempo de Marden era assim, agora é pior. Quem não possui "canudo", dificilmente consegue singrar em qualquer profissão.

E para que todos possam obter diploma criam-se Faculdades e Escolas, sobre tudo e nada.

Certa ocasião, o jornalista da RTP, João Adelino, foi indicado para moderar debate. O seu assessor informou-o que um dos intervenientes recusava-se a entrar no estúdio, porque o moderador não o tratava por "Doutor". (2)

A ideia piramidal de transformar a universidade em fábrica de licenciados, tornou, segundo Karl R. Popper, o estudo desinteressante. Numa conferência realizada em Zurique, em 1958, disse: "Para os estudantes da minha geração, sem recursos, a luta pelo saber constituía uma aventura, que exigia pesados sacrifícios, o que conferia aos conhecimentos obtidos, valor singular." (3)

Como se sabe, tudo que se obtêm sem sacrifício nunca é devidamente apreciado.

A facilidade, no ensino, torna, em regra, abundância de licenciaturas, mas nem sempre abundância de bons profissionais.

Os diplomas, são “Hábitos", como disse Diogo Couto, na carta que dirigiu a El-Rei:

"Não peço a S. Majestade que me faça fidalgo nem que me dê o hábito de Cristo, porque o mundo está tão cheio deles, que ainda hei de ser conhecido por homem que não tem hábito (4)

E na mesma obra, declara: "(...) Homem que não é fidalgo não é chamado para nada".

É o que acontece nos nossos dias em concursos públicos (e não só) que, em regra, requerem licenciaturas para quase tudo.

Por isso é que todos andam atarefados para alcançar o almejado diploma, seja em que for, e da forma que for. Até ilustres autodidatas, tiram licenciaturas, para que lhes reconheçam os conhecimentos, pelo diploma...

E o Estado, conhecedor dessa ambição e necessidade, vai facilitando o ensino.

Ter diploma dá prestígio, e satisfaz a vaidade... e algumas vezes até dinheiro...

Bem disse Mário Soares: "Em Portugal, o doutor é qualquer coisa de extraordinário, quase um título de nobreza." (5)

                                                *

1 - " Poder da Vontade" - Livraria Figueirinhas

2 - " Jornal de Notícias" - 14/4/12

3 - Em Buscar de um Mundo Melhor" - Editora Fragmentos

4 - Prólogo do " Soldado Prático" - Livraria Sá da Costa

5 - " O Primeiro de Janeiro" - 21/7/92 

Título e Texto: Humberto Pinho da Silva

Anteriores: 
O pintor da Ria
O exemplo de um grande filósofo 
[Daqui e Dali] A oitava praga 
Não compreendi, mas venerei 
A família em Portugal 
Como se fundou o convento do "Bom Pastor", e o que fez a Irmã Maria por ele

Um comentário:

  1. Vou tocar em mais um assunto para ser escrachado.
    Doutor é o título ou grau acadêmico mais elevado na maioria dos sistemas de ensino, é adquirido através do doutorado, e comprova a capacidade de desenvolver investigação ou docência num determinado campo da ciência.
    É importante ressaltar que doutor não configura forma de tratamento oficial, pois inicialmente é título acadêmico.
    "Costuma-se designar por doutor a quem possui somente a graduação, especialmente os graduados em direito e em medicina, mas o tratamento "Senhor" confere a desejada formalidade às comunicações."
    No convívio, no costume Bolsonaro é senhor presidente da república e não pode ser chamado de candidato.
    Poucos médicos podem ser chamados de DOUTOR.
    Porque devo chamar um juiz, deputado ou senador de EXCELÊNCIA?
    Característica do que é excelente, de teor elevadíssimo; primazia, perfeição.
    Grau máximo de bondade, qualidade ou perfeição: a excelência de um remédio.
    [Gramática] Forma de tratamento conferida a quem pertence ao mais alto nível de uma hierarquia social, que ocupa posições ou funções de nível nobre, político, diplomático, eclesiástico ou profissional relevantes; abreviada por Ex.ª.
    QUAL EXCELÊNCIA TEM ALGUMAS AUTORIDADES BRASILEIRAS?
    Uma imensa parte é excrecência.
    Apesar de vários anos de voo, de experimentados companheiros profissionais de gabarito, o único excelente comandante que convivi na VARIG foi um suicida na vida particular e uma excelência em pilotagem.
    Pousamos 0/0, quase em emergência de combustível em JFK.
    Seu nome era BENITEZ.
    Pena que somente eu o lembre.


    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-