segunda-feira, 9 de novembro de 2020

A análise da equipe vascaína na derrota para o Palmeiras em São Januário

A derrota sofrida para o Palmeiras neste domingo por 1 a 0, em São Januário, empurrou o Vasco para a zona de rebaixamento. A situação é resultado de nove jogos sem vitória no Brasileiro. Mais uma vez, o time jogou mal, criou pouco, quase inofensivo no ataque. Na defesa, o time teve atuação sólida, prejudicada pelo pênalti cometido por Neto Borges em Lucas Lima. 

Assim como na última quarta, quando o Vasco avançou na Sul-Americana ao empatar com o Caracas por 0 a 0, Sá Pinto escalou três zagueiros. A estratégia funcionou durante boa parte do jogo deste domingo. Apesar de ter mais posse de bola, a equipe paulista tinha muita dificuldade para penetrar a defesa vascaína. 

Sem a bola, o Vasco formava um 5-4-1, com Cano mais avançado. Todo o time defendia compactado. Assim, resistiu às muitas investidas do Palmeiras. O gol da partida pode ser creditado mais a uma falha individual do que a um erro coletivo. Neto Borges cometeu um pênalti bobo em Lucas Lima, ao chegar atrasado e fazer falta mesmo tendo cobertura dos zagueiros.

Foto: André Durão

Ataque improdutivo 

No primeiro tempo, o time apostou quase exclusivamente nas jogadas pela direita, com Benítez, com apoio do lateral Léo Matos. O meia, no entanto, não estava num bom dia. Assim como todo o setor de criação do Vasco, que era muito lento na transição da defesa para o ataque. Postura fatal para um time que se propõe a jogar no contra-ataque.

A situação de Talles Magno, na ponta esquerda, não era melhor. O atacante tentou jogadas individuais, para quebrar as linhas, mas parava sempre na marcação palmeirense. O Vasco sempre tinha menos jogadores no campo de ataque, seus homens era alvos fáceis para os adversários.

Quem mais sofria com a falta de produtividade era Cano. O centroavante ficou isolado a maior parte do tempo. Em todo o jogo, só recebeu uma bola em condições de finalizar, quando deu bom drible, mas chutou fraco de esquerda, e Weverton defendeu. 

Ciente da necessidade do resultado, Sá Pinto mandou o time para frente. O Vasco chegou a ter quatro atacantes em campo no fim do jogo. Um deles era o estreante Gustavo Torres, que teve uma chance de gol, ao receber um cruzamento e bater de primeira, para defesa tranquila de Weverton. Muito pouco tempo para analisar o desempenho do colombiano, recém-chegado. 

Ao fim do jogo, em entrevista coletiva, o técnico Sá Pinto lamentou a derrota. Segundo ele, o resultado mais justo seria o empate. No entanto, faltaram ao Vasco iniciativa e qualidade na saída de jogo. Mas é possível ressaltar a evolução da defesa e vale lembrar que o técnico está em início do trabalho, em meio a um calendário de jogos pesado, e há bastante margem para melhorar em busca de sair do Z-4. 

Título e Texto: Globo Esporte, via Super Vasco, 9-11-2020, 8h14

2 comentários:

  1. Assisti ao jogo, no canal 11, da Federação Portuguesa de Futebol.
    Neto Borges deveria ser punido pelo penâlti que provocou. Defendido espalmado por Fernando Miguel, logo rebatido por Lucas Lima, o marcador.
    Fui surpreendido com o novo técnico do Palmeiras, o português Abel Ferreira, que estava no PAOK.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aliás, todo o atleta que comete penâlti deveria sofrer algum tipo de punição.

      Excluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-