sábado, 2 de janeiro de 2021

Faroeste 2.0

… pensar e tentar montar o pensamento de um jeito que leve os outros a pensar também — ou pelo menos a se divertir, que não é menos importante que pensar

Guilherme Fiuza

Nunca escrevo em primeira pessoa, porque não interessa a ninguém, mas vou quebrar a regra pra falar de uma coisa boa. E, já que o mundo virou de cabeça pra baixo, primeira pessoa pode ser considerada última. Então, vamos falar aqui em última pessoa, lá do fundão da classe, jogando conversa fora que ninguém é de ferro.

No início de 2020 o Augusto Nunes me falou de um projeto novo em gestação. Como o Augusto está sempre gestando alguma coisa nova, não cheguei a me surpreender. Quando li Minha Razão de Viver — a história de Samuel Wainer contada pelo Augusto Nunes, um clássico dos anos 1980 —, aprendi a prestar atenção nas coisas que ele faz. E me meti num caminho no qual estou há mais de três décadas. Não me refiro especificamente ao jornalismo, profissão à qual sou grato sem nunca ter sido apaixonado por ela, mas a outra coisa que não sei definir jornalisticamente.

Talvez uma mistura do ofício de contar histórias com a missão de tentar entender a História com o bonde andando. Pensar e tentar montar o pensamento de um jeito que leve os outros a pensar também — ou pelo menos a se divertir, que não é menos importante que pensar. Enfim, o Augusto Nunes sempre me pareceu um cara que se diverte com coisa séria (não tente fazer isso em casa; ou melhor: tente, mas vá com cuidado).

Voltando ao início de 2020, num corredor da Jovem Pan, tava na cara do Augusto que ele estava prestes a se atracar com um brinquedo novo — e, como já dito, aí a coisa fica séria. E ficou.

O projeto era de uma revista — esta aqui que você está lendo. Interrompo aqui este texto em última pessoa pra dizer, do fundão da classe, que isto não é uma propaganda floreada da Revista Oeste. Juro que não. Vou até mudar aquela formulação lá do início: não estou quebrando a minha regra de nunca escrever em primeira pessoa pra falar de uma coisa boa. Pensando bem, este texto é pra falar de uma coisa ruim — que aconteceu praticamente junto com o nascimento da Oeste.

Mas, voltando: era um projeto de revista, o que não me dizia muita coisa. Eu já tinha parado de ler revistas havia um bom tempo, pelo menos do jeito cativo que se lia antigamente. Já tinha me desobrigado até de ler as matérias da última revista com a qual eu colaborara — sem que isso seja um juízo sobre os que trabalhavam nela. Apenas não me identificava com a maior parte do que era feito ali. Só que agora era invenção do Augusto, e um cara que sabe se divertir com coisa séria nunca está de brincadeira.

Apesar da afinidade que fomos desenvolvendo ao longo dos anos, nosso único encontro profissional tinha acontecido duas décadas antes. Um encontro prosaico. Augusto era colunista de um dos primeiros sites jornalísticos brasileiros, o NoMínimo, e eu fazia lá um papel inventado pelo Marcos Sá Corrêa: sob o pseudônimo de Salomão Antunes, eu me passava por um velho jornalista encostado na seção de cartas, com a incumbência de responder aos leitores. Eram respostas sempre incisivas e sem coerência alguma, além de meio rabugentas.

Ou seja: minha única experiência de trabalho com o Augusto Nunes era, basicamente, intrigar os leitores dele.

Salomão Antunes não teria espaço nos dias de hoje. Um moralista caricato não teria graça como personagem fictício no meio de uma epidemia de moralismo real — que encontrou sua apoteose na epidemia viral. Foi nesse cenário de imprensa convertida em patrulha que nasceu a Revista Oeste.

Nasceu para afirmar a liberdade — o que alguns anos atrás talvez soasse até retórico. Augusto Nunes, J. R. Guzzo, Kaíke Nanne & cia. tinham um bom projeto. Mas não tinham ideia de que ele nasceria precisamente junto com uma pandemia e se tornaria tragicamente importante. Tragicamente, porque ninguém de boa-fé deseja relevância por contraste. E a Missão 2020 foi contrastar a imprensa convertida em central de especulação mórbida.

Vamos em frente.

Título e Texto: Guilherme Fiuza, revista Oeste, nº 41, 1-1-2021, 10h13 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-