domingo, 31 de janeiro de 2021

[As danações de Carina] Qual a nossa concepção de liberdade?

Carina Bratt

Amigas leitoras, acreditem: Todas nós vivemos emparedadas dentro de uma cadeia enorme de limites. Por mais que estudemos, por mais diplomas que viermos a colecionar, ao longo da vida, estaremos sempre atreladas, ou melhor, amarradas, pés e mãos, à uma série infindável de metas que nos são impostas no dia após dia, pela sociedade.

A sociedade é uma vilã. Uma megera indomável, renascida dos escombros dos idos medievais, ou mais precisamente dos tempos dos homens e das mulheres que viviam em cavernas. A sociedade é suja, nojenta e hipócrita. Pegajosa, grudenta, sufocante. Sobretudo sufocante. Exige muito de nós e, em contrapartida, não nos oferece absolutamente nada.

Bailarina na janela, Agnaldo Passos

Apenas uma lista de cobranças e exigências, a maioria delas, sem fundamentos lógicos. Estamos, a bem da verdade, sinalizando, com todas as letras, que não somos totalmente livres, nem absolutamente desimpedidas, independentes e donas de nossos narizes e destinos. Não importa o tempo de vida que passaremos por aqui, na constância inconstante, do habitual.

Sempre esbarraremos nas malditas linhas intrincadas e cheias de impedimentos e atoleiros, nos proibindo, nos freando, ou dito de forma mais direta, nos obstaculando, nos bloqueando de todas as formas para não seguirmos em frente e sermos completamente felizes e realizadas.

A cada dia, acreditem, a cada dia esta sociedade nojenta e abjeta que nos encarcera (de braços dados com a educação, irmanada à religião e as disparidades advindas dos berços familiares) seguirá nos atribuindo novas demarcações, nos direcionando para onde deveremos seguir ou não, isto se quisermos viver sem atropelos e problemas vindouros.

A sociedade, assim como a vida, ambas nos constrangem, nos ameaçam, nos vedam os passos. Nos aprisionam, nos fazem literalmente cativas, nos envolvem em malhas e correntes, talingas e amarras difíceis de nos vermos desafogadas e amenizadas de seus embaraços.

Claro que não mencionamos aqui somente os desprazeres do agora-cotidiano, todavia, englobamos também os obscuros que nos chegam advindos de todos os quadrantes, que nos pegam de saias justas, nos empurrando, contra as nossas vontades, às gaiolas das opressões, as mesmas que nos impedem de deslancharmos em busca de nossos sonhos e objetivos.

Daí afirmarmos viver agarradas às limitações. Aos contratempos os mais intrincados. Exemplos? Teríamos um calhamaço invejável. Vejamos apenas dois ou três. Carecemos votar. Se não tivermos com as obrigações eleitorais em dia, estaremos mortas. Não existiremos. Deixaremos de ser seres humanos e passaremos a viver, às margens da vida.

De igual forma, agora, com a chegada da vacina da Covid-19. Se não nos submetermos a ela, não poderemos sair do país. Seremos vistas como criaturas retrógradas, superadas, marginalizadas. Passo igual, o WhatsApp acabou de anunciar que a nossa privacidade, foi pras cucuias.

Significa dizermos que tudo o que falarmos, em nossas mensagens ou escrevermos, estará num enorme e gigantesco casarão Big Brother Brasil, com todos os nossos bate papos entre amigos e parentes, à disposição das autoridades constituídas. Perguntamos, amigas leitoras: para onde foi a nossa intimidade? Para onde fugiu o nosso direito garantido de não sermos monitoradas, ou de não nos vermos reconhecidas ‘pela aí?’.

Cadê a tal privacidade de não termos mais nossos registros preservados ou publicados? Cadê a nossa soberania, a nossa individualidade? Amigas e amadas, tudo nos foi tirado, na força, na marra, na ilegalidade. Rasgaram a Constituição Federal. Queimaram, às escondidas, os nossos direitos de professarmos as nossas contrariedades.

Daqui para pior. Sempre para pior. Logo seremos surpresadas com outras barbáries. Breve chegará o momento em que, para sairmos de nossas casas, para irmos à farmácia, à padaria, ao dentista, ao supermercado, teremos de prestar contas, às milícias.

Nossos passos serão monitorados pelos poderosos, pelas autoridades constituídas, pelas polícias federal, civil e militar... Ou correremos o risco iminente de irmos parar atrás das grades. Estão lembrados do jornalista Oswaldo Eustáquio? Alguém sabe, de fato e de direito, o que aconteceu com ele? Daí, batermos na tecla de não sermos livres e soltas, na verdadeira acepção da palavra.

A nossa liberdade, queridas amigas, a nossa autonomia, a nossa alforria, a emancipação em toda a sua formosura ficou num distante passado. Se perdeu na febre de num longínquo remoto do qual não nos sobrou nada. Apenas boas recordações de quando ainda éramos desnubladas e nos sentíamos gente. Grosso modo, e em resumo, seremos, dentro em pouco, sequoias caídas na floresta. Acaso as amigas, ainda que 'por breve comentar', ouviram falar na extinta Amazônia?

Título e Texto: Carina Bratt, de Linhares no Espírito Santo, 31-1-2021

Anteriores:
O violento silêncio de um novo recomeço
Quando os cartões de crédito nos deixam na rua da amargura
O eterno dilema de ter que esperar
Chegou a hora de aprendermos a dizer ‘NÃO’.
Meus natais de ontem perderam o brilho
Legado nos ossos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-