quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

[Diário de uma caminhada] O tumor maligno entre Poder e Povo. Três teses. Tese Três

Tese 3: Martinho Lutero acabaria com o clero jornalístico

Gabriel Mithá Ribeiro

Perante um clero romano desviado da sua função religiosa de ligar, pela fé cristã, o destino humano a Deus, um clero pouco preocupado em cumprir o seu dever de intermediário por via do sagrado entre a vida terrena finita e a eterna vida celestial, um clero materialmente interesseiro, venal, imoral, corrupto, entregue a vícios e prazeres mundanos quanto mais alta a sua hierarquia – o alemão Martinho Lutero, em 1517, deu início ao movimento que levaria à sua supressão como garantia do cumprimento da função que deveria competir, por princípio, a esse mesmo clero, a dignidade da fé cristã.

Foi a semente de uma profunda reinvenção do cristianismo pelos próprios fiéis, um culto protestante por isso mesmo sem clero, que o tempo tornaria extraordinariamente fértil. A nova igreja radicalizava a entrega ao próprio crente terreno o dever da sua ligação direta ao seu Deus do céu, o que levou à tradução da Bíblia do latim para a língua nacional. A nova fé cristã tornou-se bem mais sinónima da consciência e da autorresponsabilidade individuais de cada sujeito na condução do seu destino, pressuposto da maturidade individual e coletiva.

A rotura com a então fonte-mãe dos vícios da religião cristã, o clero, de tão radical teve impactos efetivos nos espíritos dos mais comuns dos fiéis por se revelar obviamente lógica, linear, clarividente na relação que estabelecia entre a causa e a sua consequência, o discurso e a prática correspondente, a doença e a cura necessária. Goste-se ou não, esse é o eterno princípio da moral enquanto fenómeno religioso ou social. O pensamento social, a cabeça coletiva, funciona e funcionará sempre por representações simplificadas que, quando possuem um fundo moral justo, com o tempo desembocam no Bem, na Justiça, na Prosperidade e, quando não o possuem, com o tempo desembocam no Mal, na Frustração, no Falhanço, na Pobreza. Portanto, os sucessos e fracassos coletivos são sempre, acima de tudo, sucessos e fracassos morais acima de tudo da responsabilidade dos próprios, o que se designa por autorresponsabilidade.

Quer dizer que o tempo dos séculos acabaria por dar razão, por legitimar, a Reforma Protestante. Esta reinventou o significado e função da fé cristã nas sociedades onde se afirmou, e com grande proveito cívico, político, económico, cultural, de favorecimento da alfabetização, de reinvenção civilizacional cujo impacto se prolonga até hoje.

Em simultâneo, tão grande cisão no cristianismo entre protestantes e católicos impôs aos últimos, também desde o século XVI, a colocação da mão na sua própria consciência. Fizeram a sua contrição e contrarreforma que, embora seguindo caminhos distintos, também levaram o catolicismo romano à regeneração, a singrar, a propagar-se pelo mundo.

Quando viajamos no tempo, é como se o clero jornalístico atual se arrastasse nos vergonhosos vícios pré-luteranos, tanto mais escandalosos quanto mais elevada a hierarquia nas redações. Em tempos de dessacralização da vida coletiva, o novo clero não intermedeia a relação entre o céu e a terra. Limita-se a fazer de intermediário que corrompe a não menos fundamental relação entre o Poder e o Povo, entre a Democracia e os Cidadãos.

Tal como procedeu Martinho Lutero na sua época, as nossas sociedades beneficiariam do impulso moral e civilizacional de que necessitam se aquela relação passasse a dispensar a intermediação do clero jornalístico, o tumor maligno comprimido entre dois dos órgãos vitais do corpo social, Poder e Povo. É tempo de existirem caminhos diretos na relação de cada cidadão, de cada consciência individual com quem o governa e demais forças políticas, sem uma imprensa omnipresente.

Os jornalistas transformaram-se nos inimigos por excelência do princípio do contrato social, uma vez que este tem de ser estabelecido, e quotidianamente mantido, quer através da relação entre o indivíduo e o coletivo, quer através da relação entre o poder e o povo, em qualquer dos casos interações que têm de estar libertas de entraves, bloqueios, intermediários, filtros, parasitas, distorções. Foi esse o sentido que, na origem, Jean-Jacques Rousseau e John Locke atribuíram ao contrato social no século XVIII. Negar isso é o mesmo que negar, também dessa época, o princípio de Montesquieu da separação de poderes (legislativo, executivo e judicial) como garantia da liberdade.

Assustado com a crescente vontade intuitiva de regresso à pureza do contrato social bastante sintomática na força das redes sociais, o novo clero jornalístico grita populismo!, tal como no tempo de Martinho Lutero o velho clero romano gritou heresia! Apesar da passagem dos séculos, o que não muda é a exigência da fogueira para os acusados.

André Ventura e o CHEGA sabem que debaixo do sol não há nada novo. Mas é por isso que têm certezas absolutas, porque a história também sempre o comprovou, que a vontade humana consegue curar tumores malignos, esconjurar parasitismos, vícios, imoralidades, corrupções, irresponsabilidades em nome de valores mais altos que dignificam a nossa frágil condição humana, as nossas sociedades, as suas instituições.

O espírito natalício serve para nos alimentar de boas esperanças, retemperar-nos as forças para dobrarmos o Cabo das Tormentas a partir de 24 de janeiro de 2021. Desejo ao nosso candidato presidencial, André Ventura, aos demais candidatos, a todos Vós e respetivas Famílias um Feliz Natal!

Título e Texto: Gabriel Mithá Ribeiro, Vice-Presidente do CHEGA!, 24-12-2020 


Anteriores:
O tumor maligno entre Poder e Povo. Três teses. Tese Dois
O tumor maligno entre Poder e Povo. Três teses. Tese Um
As três leis da política
Ciganos, negros, islâmicos e Chega: a «mão invisível» do liberalismo social
Cultura negra?
António Damásio, ideologia de género e doença de esquerda
«Visão»: nojo racista chegofóbico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-