quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

[Língua Portuguesa] O que é um oxímoro?


Colunas anteriores:

“De mais” e “Demais”…
Site, Saite ou Sítio?
O valor de Camões
Se você já foi ‘roubado' sentiu a diferença ao ser ´’furtado’, certo?
Moderação x ponderação: qual a diferença?
Fim-de-semana ou fim de semana?
Vírgula, ponto e vírgula
Língua Portuguesa
Quais os nomes desta fruta?
O que já foi publicado

3 comentários:

  1. Não sou linguista mas tenho a ideia de o oxímoro ser uma figura de estilo que recorre a duas palavras em conjunto que, se levadas à letra, são contraditórias. Por exemplo: "silêncio ensurdecedor".

    Há quem faça uma equivalência entre o oxímoro e o paradoxo. Eu sou mais minimalista e entendo que o paradoxo tem uma interpretação mais objectiva, enquanto o oxímoro é mais subjectivo. Por exemplo: há quem considere o "contentamento descontente" de Camões um oxímoro. Eu acho-o um paradoxo porque tal contradição de sentimentos pode ser real. Pelo contrário, um "silêncio ensurdecedor" nunca acontecerá no seu sentido literal.

    ResponderExcluir
  2. Agradeço as contribuições.

    Contribuo também:

    Oxímoro, oximóron ou paradoxismo (do grego ὀξύμωρον, composto de ὀξύς, "agudo, aguçado" e μωρός, "estúpido") é uma figura de linguagem que consiste em relacionar numa mesma expressão ou locução palavras que exprimem conceitos contrários, tais como festina lente ("apressa-te lentamente"), "lúcida loucura", "silêncio eloquente" etc. Trata-se de uma figura da retórica clássica.
    Dado que o sentido literal de um oxímoro (por exemplo, um instante eterno) é absurdo, força-se o leitor a procurar um sentido metafórico (neste caso, pela intensidade do vivido durante esse instante, faz perder o sentido do tempo). O recurso a esta figura retórica é muito frequente na poesia mística e na poesia amorosa.
    Exemplos
    • silêncio ensurdecedor
    • inocente culpa
    • gelo fervente
    • declaração tácita
    • ilustre desconhecido
    • guerra pacífica
    • morto-vivo
    • lentamente rápido
    • tristemente alegre
    • inimigo amistoso
    • cooperado vagabundo
    • catedrático néscio
    • mentiroso honesto
    • manso intenso

    Este soneto de Luís de Camões é construído com oxímoros:
    Amor é fogo que arde sem se ver
    É ferida que dói e não se sente
    É um contentamento descontente
    É dor que desatina sem doer
    É um não querer mais que bem querer
    É solitário andar por entre a gente
    É nunca contentar-se de contente
    É cuidar que se ganha em se perder
    É querer estar preso por vontade
    É servir a quem vence, o vencedor
    É ter com quem nos mata lealdade.
    Mas como causar pode seu favor
    Nos corações humanos amizade,
    Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

    Fonte: Wikipédia

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-