domingo, 14 de fevereiro de 2021

[As danações de Carina] Maria, carnaval e cinzas

Carina Bratt

O ilustre senhor Carnaval chegou de novo. Veio de longe, dos quintos das profundezas, trazendo, na mala, mais de mil gingados diferentes, entre outros não sei quantos babados escabrosos e garabulhentos para nos pôr a perder, para nos fazer sair dos trilhos e nos vermos embrenhadas num trilhar sem volta, sem retorno, sem uma segunda chance para a sequência lógica da vida plena que até agora nos tem contemplado com todo seu garbo e magnificência.

O senhor Carnaval está batendo em nossas portas agora. Se faz lindo e chamativo, belo e formoso, cheio, porém, abastecido de más intenções, querendo se instalar, a todo custo, em nossos melhores momentos de felicidade. Para ele, não importa a pandemia, que corre à solta, desembestada, tampouco, se vamos, com a sua presença maléfica e maldita, contrairmos o vírus do deletério, ou seja o organismo degradante e condutor da morte, no fluxo do pula-pula, como malucas desvairadas, envolvidas num ajuntamento de folias com riscos de nos metermos numa nova variante da infâmia chinesa cada vez mais próxima de nossas casas.

O que vale, o que importa, para o senhor Carnaval, o que conta, é a nossa soltura, o nosso desprendimento sem medo de sermos completamente felizes. O que para ele interessa é que nos desvairemos sem amarras e sem pudores, sem frescuras e sem o formalismo da xenofobia, ou de um conhecimento mais aprofundado do que ocorre a todo vapor ao nosso redor, sem pensarmos, principalmente, que, na quarta-feira poderemos estar virados e enfurnados numa urna de cinzas e partir desta para melhor.

Se colocarmos as mãos na consciência, se olharmos as coisas pelo lado prático, chegaremos à conclusão nua e crua que vivemos o ano inteiro um carnaval desgraçadamente único. Somos palhaças legalizadas do cotidiano. Bufonas de uma sociedade suja e corrompida, corrupta e fracassada. Somos ainda, cômicas sem graça de um espetáculo sem plateia, sem palmas e sem volta, sem uma segunda chance de retorno aos benfazejos da existência bonita que o Pai Maior nos concedeu.

Nos tornamos, a bem do ainda não dito (estou dizendo agora), musas suspirosas e fantasiadas, vítimas funestas e infaustas da nossa própria estupidez. O aparvalhado, o grotesco, o desleal, se alojou em nossas vidas como uma praga daninha. Grudou em nossos corpos desde muito, nos tornando seres imundas e fracas, estragadas, administradas por uma mão cheia de milhões de dedos e tentáculos nocivamente invisíveis e inescrupulosos.

Não temos mais o comando das nossas vontades. Deixamos de decidir sobre os nossos desejos mais secretos. Passamos a viver ou a vegetar uma vida segregada por dogmas e enigmas insondáveis. Nos tornamos zumbis. Viramos um amontoado de ‘seres-corpos-desfalecidos’ (como os cadáveres em ‘Incidente em Antares’), sem aquela luz viva e eficaz, vinda do mais alto céu, por benevolência benemérita de Deus.

Na realidade, nossas vidas (ou o que delas restou), descambaram para um brejo deplorável e horripilante. Como disse, e repito, passamos a ser comandadas, ou literalmente robotizadas (quem sabe por pragas ainda mais fortes e eficazes que a Covid-19, desfortunas e azares, portanto, desconhecidas, vindas da China, ou de qualquer outro país), isto não importa. O que neste momento prevalece fomentando toda a diferença, é o fato incontestável de que nos tornamos, por vontade da nossa cegueira pretumada, reféns de uma existência desmantelada, falcatruada e medíocre.

Nos abrotamos escravas servidoras de um senhor cujo rosto ocultado pelo poder da sedução controlada, nos aprisionou em suas teias. Este ser estranho nos pegou de jeito, e nos deixou divorciadas de tudo, notadamente sem o direito de enxergarmos as cores que moldam as dimensões dos seus desejos e ensejos mais reconditados, bem ainda, nos tolheu de nos defrontarmos com os contatos de sua pele, e da vivacidade que lhe brota dos olhos.

Nos aniquilou de uma maneira tão vil, que não conseguimos sentir o reverbero dos bons fluídos (se é que são bons, nesta altura do campeonato), vindos do mais inusitado do seu âmago. O senhor Carnaval é, com todas as letras, num dizer esdrúxulo e escrachado, um senhorzinho vadio, de modos pecaminosos e obscuros. Uma criatura pedófila, de idade avançada, e tomado por preceitos contrários aos do Criador. O senhor Carnaval é o manda chuva de um arcano que visa a sua consumação hedionda dentro da consolidação fatal dos séculos.

Não sabemos, na realidade, de onde veio. Acreditamos, dos despenhadeiros do Tinhoso. Apenas nos foi concebido entender para que veio. Está por aí, portanto, o senhor Carnaval, à caça de uma Maria, ou em busca de um punhado enorme de senhoritas Marias ‘vai com as outras’. Todas nós, caríssimas amigas e leitoras, nos tornarmos estas simplórias Marias. Em carne e osso.

O Carnaval, no dizer bíblico, é o divertimento sem reprimenda da carne. A bagunça do corpo, a patuscada da mente e a estroinice de tudo o que é e está errado. É mais um bocado, ainda: se transformou na suruba da alma estraçalhada pelo espúrio em seu maior grau de envolvimento com os seres desprotegidos, principalmente com aqueles viventes, ou as criaturas humanas desprotegidas totalmente das sombras bonançosas da sorte.

O carnaval, é ainda, o prazer abastoso de Momo, a festa farta da alegria desalegre e exaustiva, entre o bem e o fatídico. Representa, num segundo entendimento, os festejos desenfreados de todos os pecados capitais, neles incluídos as orgias da decadência e da devassidão de todas aquelas pessoas que se deixam ser levadas pelas suas zombarias e pelos seus sarcasmos e pândegas.

Resta dizer, por derradeiro, que o senhor Carnaval, é o ilustre senhor Momo. E quem é o ilustre senhor Momo? Não outro, amigas e leitoras, senão o Capeta travestido de folião. Fica, pois aqui, a dica, a deixa, o conselho. Fuja do senhor Carnaval. Fique longe dos ajuntamentos de seus pares. Passe a quilômetros de onde a farra come solta e se degenera. Fique fora do politicamente inútil. Se cuidem, todas vocês e vivam FELIZES. ‘A vida é um avião que passa voando’.

Título e Texto: Carina Bratt, de Salvador, na Bahia, 14-2-2021

Anteriores: 
Negativos revelados com imagens diferentes 
Qual a nossa concepção de liberdade? 
O violento silêncio de um novo recomeço 
Quando os cartões de crédito nos deixam na rua da amargura 
O eterno dilema de ter que esperar 
Chegou a hora de aprendermos a dizer ‘NÃO’. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-