sábado, 29 de janeiro de 2022

Antigo Convento do Carmo tem obras de restauro concluídas e se prepara para abrigar centro cultural

Espaço vai abrigar biblioteca, salão de exposições e um bistrô abertos ao público

Um dos ícones arquitetônicos do Centro do Rio teve as obras de revitalização concluídas e está prestes a receber um centro cultural. O antigo Convento do Carmo, localizado na Praça XV, irá abrigar uma biblioteca, salão de exposições e um bistrô. O espaço também contará com salas de aula da Escola Superior de Advocacia Pública (Esap) e Centro de Estudos Jurídicos (Cejur). Conforme informou o Jornal O Dia.

Depois de vários anos de descaso e abandono, o prédio, construído em 1620, foi alvo de uma batalha e acabou sendo retomado pelo Estado, através da PGE, em 2011. O órgão ficou responsável pela reforma, que custou cerca de 30 milhões. Segundo a PGE, o investimento foi inteiramente financiado com recursos próprios da PGE, sem comprometer nenhum centavo do orçamento do Poder Executivo.

O prédio é um dos símbolos da chegada ao Brasil de D. João VI e sua mãe, a rainha de Portugal, D. Maria I. O Príncipe Regente foi morar no Paço Imperial e sua mãe ocupou o Convento do Carmo, onde permaneceu até sua morte em 1816. A circulação da família real por estes espaços era feita por passadiços, que mais tarde foram demolidos, que ligavam o Convento ao Paço Imperial e à capela real, antiga Catedral da Sé.

O prédio do Convento do Carmo é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1964. Por isso, o projeto de reforma buscou adaptar a construção secular ao uso contemporâneo, mas, ao mesmo tempo, manter e preservar o estilo original da arquitetura da época de sua construção e restaurar os vestígios da passagem da família real portuguesa pelo Rio.

O principal foco do projeto foi a restauração de esquadrias, pisos, forros, cantarias e pinturas, assim como a recuperação da identidade arquitetônica do prédio, que sofreu grandes modificações ao longo do tempo. Esse desafio veio junto com o objetivo de permitir um novo uso da edificação, trazendo novas soluções de acessibilidade, conforto ambiental, acústico e de instalações prediais, que possibilitaram agregar um projeto contemporâneo sem perder de vista as características históricas do prédio“, explica Patrícia Gullo, gerente de Arquitetura, Projetos e Obras da PGE.

No andar térreo do prédio de três andares, a obra reavivou os arcos que enfeitam seus grandes salões, que tiveram suas estruturas de tijolinhos expostas com a remoção da argamassa que encobria sua originalidade. No primeiro andar, onde estão os aposentos que serviram à D. Maria I, o piso com tábuas de pinho de riga trazidos em navios da Europa foi completamente restaurado. Assim como a cor das paredes e as pinturas que adornam o ambiente, além do forro do teto.

Ainda no primeiro andar, a parede com vigas de madeira entrelaçadas e pedras lembra a preocupação com os abalos sísmicos que devastaram Lisboa em 1755. Ao lado dessa lembrança trágica, a reforma também descortinou uma delicada pintura na parede que imita uma divisória em madeira, uma técnica artística conhecida como Trompe l’oeil (engana o olho, em francês), que cria uma ilusão de ótica e transforma a figura em três dimensões. No mesmo andar, o visitante também vai encontrar paredes que foram erguidas com pedras coladas com óleo de baleia.

Achados arqueológicos

As escavações feitas no prédio para a instalação de novos sistemas de água e esgoto desenterraram dezenas de tesouros arqueológicos que marcam a passagem da família real portuguesa pelo local. São louças francesas e inglesas, garrafas de vinho, talheres de prata, moedas, pentes, cachimbos e muitos fragmentos de cerâmica.

Os itens arqueológicos vão ser reunidos e organizados para uma exposição no próprio Convento ainda este ano, mostrando esses tesouros encontrados durante as escavações que revelam os mais diversos objetos usados no dia a dia pela família real portuguesa durante sua passagem pelo Rio de Janeiro.

Título e Texto: Redação, Diário do Rio, 29-1-2022

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-