domingo, 6 de fevereiro de 2022

[Versos de través] Impossível

Florbela Espanca

Disseram-me hoje, assim, ao ver-me triste: 
“Parece Sexta-Feira de Paixão.
Sempre a cismar, cismar de olhos no chão,
Sempre a pensar na dor que não existe ...

O que é que tem?! Tão nova e sempre triste!
Faça por estar contente! Pois então?! ...”
Quando se sofre, o que se diz é vão ...
Meu coração, tudo, calado, ouviste ...

Os meus males ninguém mos adivinha ...
A minha Dor não fala, anda sozinha ...
Dissesse ela o que sente! Ai quem me dera! ...

Os males de Anto toda a gente os sabe!
Os meus ... ninguém ... A minha Dor não cabe
Nos cem milhões de versos que eu fizera! ...


Florbela Espanca

Anteriores: 
Hino do Futebol Clube do Porto 
Hino do CR Vasco da Gama 
Barraca da Chiquita, 42 anos 
Balada do Rio Douro 
o Natal mais feliz da minha vida 
Quem sabe um dia 
O Menino Azul 

Um comentário:

  1. Nada a ser comentado. Florbela Espanca foi além, muito além do que chamamos 'imaginário impossível',
    Carina
    Ca
    Vila Velha ES

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-