quarta-feira, 18 de novembro de 2020

[Diário de uma caminhada] Crime perfeito


Gabriel Mithá Ribeiro

Há quem roube a língua e a escrita dos outros, a religião e os valores morais dos outros, as instituições dos outros, o vestuário dos outros, a medicina dos outros, os transportes terrestres, marítimos e aéreos dos outros, as cidades construídas pelos outros, países e identidades nacionais instituídos pelos outros, mais um rol interminável. No fim, o sem-vergonha ainda contesta alegando ter sido vítima do colonialismo e do imperialismo

Sem devolver nada do que roubou, exige mais, exige indemnizações ou, no mínimo, ser tratado como príncipe na terra do assaltado. 

Quem disse que o crime não compensa? 

Título e Texto: Gabriel Mithá Ribeiro, Vice-Presidente do CHEGA!, 18-11-2020 

Anteriores:
Presidenciais: o dever da busca coletiva da Verdade. O debate que o Observador recusou. Fica o desafio à comunicação social
Vergonha
O racista Daniel Oliveira numa SIC Notícias que não é para pretos. Acordem Angolanos, Moçambicanos e Cabo-Verdianos!
André Ventura e a reinvenção da arte da política. A nova luta pela sanidade mental coletiva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-