sexta-feira, 1 de outubro de 2021

A imprensa não publica os feitos do governo, critica Alexandre Garcia

Declaração do jornalista foi proferida durante o programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan, exibido nesta quinta-feira, 30

Edilson Salgueiro

O jornalista Alexandre Garcia concedeu entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan, exibido nesta quinta-feira, 30. Durante a conversa, o ex-diretor de jornalismo da TV Globo em Brasília falou sobre CPI da Covid, fake news, liberdade de opinião, corrupção intelectual no jornalismo, dominação ideológica e mil dias de governo do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Fake news

“Precisamos saber o que é notícia falsa, antes de mais nada”, disse Garcia. “Opinião não é notícia falsa, porque não contraria os fatos. A liberdade de expressão está prevista na Constituição Federal, no Artigo 5º e no Artigo 220. Trata-se de uma garantia do Estado Democrático de Direito. Essa garantia não existia apenas na União Soviética, não existe em Cuba, na Venezuela e nos demais países com regimes totalitários.”

Segundo o jornalista, as fake news são parte de uma narrativa para rotular as pessoas que contrariam pensamentos dogmáticos. “O totalitarismo funciona apenas com pensamento único”, observou. “Infelizmente, é isso que estamos vivendo agora. Em 50 anos de jornalismo mais 80 anos de vida, nunca vi uma situação como essa, em que se estabelece o que é falso e o que não é. Quem faz isso é um personagem de George Orwell, do livro 1984.”

Liberdade de expressão

Garcia argumenta que a ofensiva contra a liberdade de expressão é praticada por profissionais que deixaram de captar verbas públicas. “Alguns perderam a oportunidade de receber dinheiro fácil do governo federal por meio da Lei Rouanet, do BNDES, da Caixa Econômica Federal, do Banco do Brasil, da Petrobras e das empreiteiras”, disse. “Isso cessou. Há mil dias de abstinência, e essa abstinência faz roncar o estômago e as bocas. É desespero.”

De acordo com o comentarista, a imprensa tradicional trabalhou durante anos com factoides — informações falsas ou não comprovadas que se aceitam como verdadeiras em consequência de sua repetida divulgação. “Hoje em dia, graças às redes sociais, não se engole mais isso”, afirmou. “Agora, é possível conferir a fonte das matérias; não existe mais intermediários para a notícia.”

Opinião versus fato

Garcia explica que a corrupção intelectual no jornalismo brasileiro começou no início da década de 1990, nas universidades. “Tenho experiência própria disso, pelo que vi e ouvi”, revelou. “Professores diziam que estavam formando militantes ideológicos para combater o status quo opressor, não jornalistas isentos e neutros.”

Conforme diz o jornalista, antigamente os profissionais de comunicação demoravam dezenas de anos para emitir opinião, porque precisavam criar percepções claras dos fatos antes de começar a interpretá-los. “Hoje em dia, o sujeito entra nos jornais e sai dando opinião. Resultado disso é a perda de credibilidade, o patrimônio que sustenta o jornalismo”, criticou.

Dominação ideológica

Garcia afirma que o noticiário serve como instrumento de dominação ideológica, porque enganosamente incute na cabeça dos cidadãos a ideia de neutralidade. “Os jornalistas dizem ser isentos e neutros, mas minam os fatos”, asseverou. “Outro dia, um comandante militar do Planalto me disse que não se ganha mais guerra com fuzil, mas com a conquista das mentes. E a conquista das mentes acontece por meio das informações.”

O comentarista político defende que a correção de rota no jornalismo deve ser protagonizada pelas universidades. “Já que o problema começou nas faculdades, talvez sejam elas próprias que precisem puxar as rédeas”, observou. “As universidades precisam avaliar se não estão acabando com a credibilidade do jornalismo, se não estão traindo a confiança das pessoas.”

Mil dias de governo Bolsonaro

“As pessoas dizem que o presidente precisa se comunicar mais com a população, mas ele já está fazendo isso”, disse Garcia. “O problema é que as coisas feitas pelo governo federal não são publicadas. Por que antes eram noticiadas? Pergunte isso aos donos de jornais. O Brasil está ampliando sua malha ferroviária, o ministro Tarcísio Gomes de Freitas está asfaltando aos montes, os portos estão sendo melhorados.”

Segundo o jornalista, o cessamento da corrupção possibilitou o crescimento do país. “Em agosto, registramos recorde de arrecadação federal”, exemplificou. “O Fundo Monetário Internacional [FMI] informou que sofreríamos uma debacle de 9% no Produto Interno Bruto [PIB], mas caímos apenas metade disso. Comparem o que está acontecendo no Brasil com o que está ocorrendo na Europa. Depois, vejam se aqui a administração não é melhor.”

Título e Texto: Edilson Salgueiro, revista OESTE, 30-9-2021, 21h


Relacionados: 

Enquanto isso, na França, de Macron... 
A imprensa alternativa é a salvação do jornalismo, diz Alexandre Garcia 
Análise: Entrevista de Bolsonaro ao Direto ao Ponto 
Uma pergunta para J.R. Guzzo: Qual a sua opinião sobre os mil dias do governo Bolsonaro? 
Contas públicas registram superávit de R$ 16,7 bilhões em agosto 
Direto ao ponto: Presidente Jair Bolsonaro – 27 de setembro de 2021 
‘Estão dobrando a aposta’, diz Eduardo sobre críticas da imprensa a Bolsonaro 
Os verdadeiros campeões do desmatamento 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-