terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

[Aparecido rasga o verbo] Carrocerias de caminhões

Aparecido Raimundo de Souza

A MELHOR ESCOLA DA VIDA, com certeza, está logo ali, bem à frente, ou seja, espelhada na carroceria dos caminhões. Com ela não precisamos de professores, nem obrigados a frequentar aulas, ou comprar livros para fazer peso em nossas mochilas. Tampouco carecemos enfiar as mãos nos bolsos para pagamentos de mensalidades que custam os olhos da cara. O importante, nessa escola é que apenas consigamos ser excelentes alunos.

Para tanto, basta que prestemos uma atenção mais redobrada quando estivermos no meio do trânsito, por sinal, a maior de todas as salas de aulas conhecidas. Lembrando, sempre, se não formos espertos o suficiente, nosso minuto seguinte poderá ser fatal, e, com isso, correremos o risco de sermos reprovados, definitivamente pelo velho e querido mestre, quem sabe, numa curva qualquer do longo caminho a ser seguido. Eis algumas frases interessantes compiladas das muitas e muitas carrocerias espalhadas por esse Brasil afora.

Se me bater atrás o pau come na frente.

Na faculdade da vida não há férias.

Amuleto contra azar é persistência.

Por que orgulho, se o futuro é a morte?

Aqui você entra pelo bico do pinto e sai pelo bico do pato.

Nem sempre o tamanho real de uma coisa vista na estrada é o seu desenho na hora do acidente.

Tiradentes tinha tantas dívidas a serem pagas que morreu com a corda no pescoço.

Se for dirigir, não beba, se for beber, deixe de lado a grana pra dar de caixinha pro guarda.

A minha dama de ferro ficou tanto tempo na chuva que enferrujou.

Cleópatra, a rainha do antigo Egito morreu porque foi mordida por uma serpente, eu fui mordido por uma servente com cara de rainha do agito chamada Cleóparta.

Não boleia no meu caminhão. A baleia está dormindo.

Durma comigo, me dê seu amor, seu calor e tu serás mamãe.

Se subo, logo chego lá embaixo.

Para evitar filhos, transe com a cunhada: só nascem sobrinhos.

Se bosta fosse dinheiro, pobre nascia sem cu.

Todos os cogumelos são comestíveis. Alguns, só uma vez.

Quem com vidro fere, com caco de garrafa será ferido.

Tudo na vida muda, até a surda muda.

É fazendo muita merda que se aduba a vida tornando-a privada.

Todo homem que se preza tem a fantasia de fazer sexo com duas mulheres ao mesmo tempo. As mulheres deveriam gostar da ideia. Pelo menos teriam com quem conversar depois que ele pegasse no sono.

Mais vale um pássaro nas mãos, que dois nas mãos do IBAMA.

Onde vamos parar? Até Papai-Noel anda saindo com veados.

Não adianta balançar... o último pingo é sempre da cueca.

Homem é como vassoura: sem o pau, não serve para nada.

Bebo porque sou egocêntrico. Gosto quando o mundo gira à minha volta.

Ser bissexual dobra suas chances para um encontro no fim de semana.

Rouba do rico e dá aos pobres. Além de ladrão é gay.

A pior das sextas-feiras ainda é melhor do que a melhor das segundas-feiras.

Eu cavo, tu cavas, ele cava, não é poético?

Na hora de morrer, seja um bom defunto. Procure não feder muito no velório.

Amigos vêm e se vão, inimigos se acumulam.

Não há melhor momento do que hoje para deixar para amanhã o que você não vai fazer nunca.

Aquele que ao longo de um dia inteiro é ativo como uma abelha, forte como um touro, trabalha igual um cavalo, e, ao final da tarde se sente cansado e abatido, como um cão raivoso, deveria consultar, correndo, um veterinário. É bem provável que seja um grande burro.

Sexo grátis, amor, AIDS e Covid-19, a combinar.

Se o amor é cego, o negócio é apalpar.

Marido é igual menstruação: quando chega, incomoda; quando atrasa, preocupa.

Enquanto você espera pela liberação da estrada, aproveite para destravar a sua lingua: fale sem errar três vezes: paca tatu, cutia não... paca tatu, cutia não... paca tatu, cutia não.

Os homens mentiriam muito menos se as mulheres fizessem menos perguntas.

Batatinha quando bate se esparrama pelo asfalto.

O último engraçadinho que buzinou atrás de mim encheu tanto o saco do meu caminhão que a traseira do meu possante fez o cara engolir o limpador de para-brisa.

Um cavalo morto é um animal sem vida.

Se “chiar” resolvesse, sal de frutas não morria afogado.

Não há mel que sempre ature, nem abelha que nunca se acabe.

Ao redor de um buraco tudo é beira.

Macho que é macho não engole sapo, come perereca.

Existem três tipos de pessoas: as que sabem contar e as que não sabem.

Se correr, o bicha pega, se ficar, o bicho come. Se unir, o bicho foge.

Seja legal com seus filhos. São eles que irão escolher seu asilo.

Eu sempre me importei com a beleza interior da mulher. Uma vez dentro... beleza!

Amigo é igual parafuso a gente só conhece na hora do aperto.

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Vila Velha, no Espírito Santo. 1-2-2022

Anteriores: 
Cotidiano de exceção 
Síndrome do descuido 
Episódico 
[Aparecido rasga o verbo – Extra] A Mulher Do Fim Do Mundo Será Sempre A “Voz Do Milênio” 
Irrefutável 
O caso do porco subtraído 
Maçãs no escuro 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-