sábado, 5 de junho de 2021

‘Bolsonaro foi o mais beneficiado das manifestações de 2013’, afirma Josias Teófilo

Cineasta, que está lançando o documentário Nem Tudo Se Desfaz, concedeu entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan

Edilson Salgueiro

O cineasta Josias Teófilo [foto] concedeu entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan, exibido nesta sexta-feira, 4. Durante a conversa, o cineasta falou sobre seu novo documentário, Nem Tudo Se Desfaz, que retrata os momentos cruciais da política brasileira nos últimos anos. A obra traça um paralelo entre as “Jornadas de Junho”, em 2013, e a ascensão de Jair Bolsonaro ao Palácio do Planalto.

“O grande tema do longa-metragem é o movimento de massas”, explicou Teófilo. “Se você observar, esquerda e direita estavam unidas em 2013 — todos juntos. A partir daquele momento, no entanto, houve separação. Foi a maior polarização da história recente da política brasileira, e estamos vendo tudo isso acontecer na nossa frente.”

Críticas ao cinema brasileiro

Segundo o diretor de O Jardim das Aflições, o cinema brasileiro não retrata eventos políticos recentes que marcaram a história do país, como a tentativa de assassinato de Jair Bolsonaro, a ascensão de movimentos conservadores e o surgimento de grupos religiosos, como católicos tradicionalistas e neopentecostais. “Nada disso aparece no cinema”, critica Teófilo. “É como se nunca tivessem existido.”

O cineasta afirma que o objetivo de Nem Tudo Se Desfaz é contar a verdade, os fatos, sem estabelecer juízo de valor. “É preciso que vejamos apenas um fato após o outro”, disse o cineasta. “E não sinto que o cinema brasileiro está tendo esse cuidado.” O longa-metragem conta com 25 entrevistados — entre eles Augusto Nunes, colunista de Oeste, e Steve Bannon, ex-estrategista-chefe do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

2013 — O ponto da virada

De acordo com Teófilo, as manifestações de 2013 resultaram numa série de reformas importantes para o sistema político brasileiro. “Graças aos protestos, a lei de delação premiada foi aprovada”, observou. “Isso possibilitou o surgimento da Lava Jato, que, por sua vez, possibilitou o impeachment de Dilma Rousseff, a prisão de Lula e, ainda, impossibilitou o PSDB como oposição viável.”

Teófilo diz que as “Jornadas de Junho” culminaram no surgimento do maior político antipetista de todos, Jair Bolsonaro. “As manifestações daquele ano têm certa conclusão na eleição de Bolsonaro”, afirma. “As eleições não tiveram grandes resultados naquele momento, a não ser a revogação do aumento das passagens [de trem e metrô]. Mas, ao longo dos anos, tudo mudou. A nova direita ascendeu após 2013.”

Assista ao trailer de Nem Tudo Se Desfaz

Nem Tudo Se Desfaz será lançado em breve. A obra é realizada por meio de financiamento misto: a produção do filme, por meio da lei do Audiovisual, com isenção fiscal. A distribuição nos cinemas de todo o país, por seu turno, ocorre via crowdfunding. Após a distribuição nos cinemas, o filme ficará disponível para streaming e, em seguida, será exibido em universidades de todos o país.

Título e Texto: Edilson Salgueiro, revista Oeste, 4-6-2021, 20h27

Relacionado:
“Na cultura, conservadorismo não tem espaço”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-