quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

Agências de checagem de 46 países pressionam YouTube por ações contra ‘fake news’

Entre as signatárias do documento estão a Aos Fatos e Lupa

Cristyan Costa

A presidente executiva do YouTube, Susan Wojcicki, recebeu uma carta nesta quarta-feira, 12, com remetente de mais de 80 agências de checagem de 46 países. O documento solicita que a big tech “combata a desinformação”.

Uma das medidas sugeridas é que o YouTube estabeleça “parcerias estruturadas” com checadores e assuma a responsabilidade de investir sistematicamente em iniciativas independentes de verificação de informações.

Além disso, o grupo quer que a plataforma dê mais transparência de como a “desinformação” se propaga na plataforma, além de pôr em prática medidas contra “violadores reiterados” e ampliação de idiomas que não o inglês.

Na papelada, os signatários pedem uma reunião com Susan para discutir as sugestões e uma colaboração com a plataforma. Entre as signatárias da peça estão as agências brasileiras Aos Fatos e Lupa. Eis um trecho do texto:

“Esperamos que considere a implementação dessas ideias para o bem público e para fazer do YouTube uma plataforma que realmente dê seu melhor para evitar que a desinformação e os boatos sejam usados como arma.”

Também subscrevem o documento organizações dos EUA, incluindo a unidade de checagem do jornal The Washington Post, e de nações como Alemanha, Espanha, Itália, Reino Unido, Nigéria, Etiópia, África do Sul e Índia.

“Todas essas agências chegaram à mesma conclusão: o YouTube é um dos principais canais de desinformação no mundo e as políticas atuais que a plataforma diz aplicar não estão funcionando”, ressalta outro excerto.

Agências de checagem censuram a Revista Oeste

Em 2020, a Revista Oeste foi alvo de censura de duas agências de checagem: a Aos Fatos e a Verifica. A publicação chegou a ser punida pelo Facebook. Depois de acionar a Justiça, Oeste obteve vitórias. Relembre o caso neste link.

Título e Texto: Cristyan Costa, revista Oeste, 12-1-2022, 21h46
 
Relacionados: 
Checagem de fatos é opinião, admite Meta 
As agências de checagem são viveiros de policiais da informação 
Os meios de comunicação não devem se intimidar perante as agências de checagem 
Agências de checagem estão extrapolando os limites, diz jurista 
‘Oeste’ vence a primeira batalha na luta contra a censura das agências de checagem 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-