terça-feira, 17 de maio de 2022

[Estórias da Aviação] O prazer em escrever

José Manuel

Hoje completo trinta textos, ou oito meses publicando toda a semana, junto com o nosso amigo Jim, do Cão que fuma, a revista virtual de todos os Variguianos e que nenhum de nós pode deixar de ler.

Para mim isto é inacreditável, que tenha começado com uma simples faxina do nosso apartamento, olhando para quatro gravuras encaixilhadas, das estações do ano, quando me lembrei de certo voo de Roma, escrevendo logo a seguir o texto "Os quadros do Grosman".

Mais uma lição aprendida, de que basta um olhar para algo significativo ocorrido em nossa existência, para desencadear uma enxurrada de sentimentos como nostalgia, alegria, tristeza, saudade e, se você realmente quiser, abrir um mundo novo em sua vida, que nem suspeitava que estivesse ali tão presente.

Colocar "pra fora" todas essas visões do passado é vivenciar isso mais uma vez, sendo muito gratificante em todos os sentidos.

Eu, pelo menos senti e vivi isso enquanto escrevia os textos já publicados, muito intensamente desde que descobri que tinha não só o direito, mas o dever para comigo mesmo de o fazer.

E com uma pandemia em nossos calcanhares, nos obrigando a permanecer reclusos por muito tempo, esta minha faceta literária, foi-se desenvolvendo cada dia mais, para meu júbilo, tornando-se um simulador de novas aventuras daquele momento em diante.

Até 2006 nunca escrevi nada com conteúdo suficiente para uma publicação, e não imaginava que isso fosse ser o meu terceiro hobby ao longo da vida.

Gosto muito de relógios antigos, tenho vários comprados em minhas viagens, e dos meus “fuscas", mas esse tipo de manuseio ou mesmo uso ficaram proibitivos naquele momento, por conta de uma aproximação com oficinas de relojoeiros ou mesmo mecânicas, pela pandemia que ora melhorava ou recrudescia, ao contrário do que almejávamos.

Com a falência fraudulenta da Varig e a suspensão dos nossos pagamentos em 2006, comecei timidamente a escrever sobre o assunto e senti ao longo do tempo que deveria me aprofundar mais nesse assunto a fim de "mexer" com a cabeça dos assistidos e beneficiários que ficaram sem saber o que fazer, ou mesmo reagir à altura de tamanho crime.

Então, veio o meu gosto por textos, que apesar do imediatismo atual, nunca deixaram de ser grandes o suficiente para que tudo ficasse bem claro sobre a nossa situação.

O tamanho dos meus textos nunca me preocupou, pois a minha mensagem tinha que ir cada vez mais longe e para isso tinham que ser grandes como a nossa garra, a nossa vontade de recuperar o perdido.

Daí a outros textos sobre os mais variados assuntos, mas sempre com o objetivo de atingir o nosso problema, foi um pulo e o prazer pelo escrever se mostrou bem claro.

Com a greve de fome em 2013, essa minha faceta se acentuou, a fim de dar continuidade e visibilidade à nossa luta.

Mas, imaginar que um dia iria escrever as minhas memórias, isso nunca passou pela minha cabeça.

Enfim, a gente encontra o nosso caminho, onde e quando menos se espera.

Até numa faxina!

Título e Texto: José Manuel – por causa do que escrevi acima, hoje sou capaz de discorrer sobre um assunto e escrever um texto enorme, mais rápido do que jamais pensei. Treinamento puro. A vida nos ensina isso. A "REVIVER” todos os momentos da nossa história. Maio de 2022 

Anteriores: 
O alcance dos sonhos 
Sonhos e pesadelos 
As ervas da ira (quinta e última parte) Quando não há noções de civilidade 
As ervas da ira (parte IV) A delinquência nunca compensou 
Ira Levin é um homem, um escritor 
Um New York, um idiota e o fusca verde 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-