domingo, 27 de novembro de 2022

Uma série sem mi-mi-mi

Seal Team não tem compromisso com a correção política e não negocia com bandidos e terroristas


Dagomir Marquezi

Você provavelmente nunca ouviu falar de uma série chamada Seal Team. A mídia não fala dela, nunca ganhou um prêmio importante, não é divulgada. E isso não tem nada a ver com sua qualidade. Seal Team é uma produção de alta qualidade que não se rendeu ao inferno restritivo da correção política.

Seal Team mostra uma equipe de elite de Marines americanos que de uma hora para outra são retirados de suas vidas normais para resolver alguma situação grave em algum lugar perigoso do mundo – Irã, China, Coreia do Norte, México… No capítulo 7 da primeira temporada eles vão resgatar uma vítima de sequestro do Hezbollah na tríplice fronteira. E elogiam o trabalho dos militares brasileiros – “O Brasil não é o Paraguai”, diz um dos personagens.

Em Seal Team, terroristas, piratas e chefões do tráfico são abatidos sem relativismos culturais ou problemas de consciência, não importa a cor de suas peles. Mulheres não são tratadas como vítimas, mas como partes fundamentais da equipe, escolhidas pela competência, dedicação e coragem.

A série é perfeita para quem gosta do jargão militar com frases como “PNG junto a Hotel Kilo, usem ROE à vontade contra Tango, câmbio”. Mas os roteiros também vão fundo na vida pessoal de cada personagem, começando pelo líder Jason, brilhantemente interpretado por David Boreanaz (da série Bones).

Por enquanto os fãs brasileiros contam com apenas as três primeiras temporadas disponíveis. Estamos esperando as outras três. Câmbio, desligo.

Título e Texto: Dagomir Marquezi, Revista Oeste, 26-11-2022, 19h30

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-