terça-feira, 27 de setembro de 2011

Os angolanos conseguirão se livrar dos (novos) suseranos (seus compatriotas)?


Jovens angolanos protestam contra o regime pela sexta vez desde Março
Joana Gorjão Henriques
Os jovens activistas que têm estado a pedir a deposição do Presidente José Eduardo Santos vão hoje voltar a sair à rua. Uma marcha estava marcada para hoje, às 9h – parte do cemitério da Santa Ana e segue em direcção à Praça da Independência em Luanda – para pedir a libertação dos 18 detidos numa manifestação a 3 de Setembro. É também uma marcha pelo direito à liberdade de expressão e, inspirada na Primavera Árabe, contra os 32 anos de governação de José Eduardo Santos.
É impossível prever o que hoje vai acontecer nas ruas de Luanda. A polícia pode, à última hora, deter os manifestantes e “parar” a marcha. Há um braço-de-ferro sobre o local da manifestação. O Governo Provincial de Luanda (GPL) definiu na semana passada locais específicos – fechados – para manifestações; os manifestantes querem fazer uma marcha. O advogado dos detidos, William Tonet, diz que a ordem do GPL é ilegal.
Difícil de prever ainda é o número de pessoas que vai aparecer no sexto protesto organizado por jovens apartidários, que não têm um nome, não têm líder, não estão centralizados e não se sabe quantos são. Muitos aparecem espontaneamente nos protestos, dizem. Apesar de várias fontes confirmarem que este movimento de contestação ao Governo é cada vez maior, os números de participantes nas manifestações são contraditórios – há quem fale de poucas centenas e há quem refira até um milhar.
Finalmente, é uma incógnita saber quantos angolanos subscrevem as palavras de protesto dos jovens.
Texto: Joana Gorjão Henriques, Público, 25-09-2011
Foto: Miguel Madeira/Público
Continuemos, lendo Lara Pawson no "The Guardian":
Students are rattling Angola's regime
Protests on the streets of Luanda show that young people are increasingly willing to speak out against the ageing government.
Read more » 
De onde vem o dinheiro?
É um prazer ouvir Rafael Marques na SIC Notícias (uma estação com muita audiência em Angola, mas que não pode enviar jornalistas para lá) a falar sobre Angola, com o pretexto do seu último livro sobre os “diamantes de sangue”. E é um prazer porque o que ele diz são verdades tão sabidas que parecem truísmos, só que ninguém as diz sobre Angola. É por isso que o prazer vem de se assistir a um ato de coragem, simples e inequívoco.
Rafael Marques interpela os portugueses sobre a sua colaboração ativa com a corrupção em Angola. Então os bancos portugueses que recebem as malas de dinheiro vindas de Angola não sabem qual é a origem desse dinheiro? Então os nossos governantes, homens de negócio, jornalistas, que andam tu cá tu lá com a elite corrupta angolana não se interrogam sobre a origem do dinheiro que permite a esses angolanos comprarem empresas, bancos, jornais portugueses e viverem no luxo e na ostentação? Sabem bem de mais, mas acham que não é nada com eles. Ajudam-nos ativamente a lavar o dinheiro e protegem-nos, com uma censura ativa, de ver denunciada a corrupção.
José Pacheco Pereira, Sábado, nº 386, 22 a 28-09-2011

Angola na encruzilhada
Se Angola quer plenamente entrar no concerto das nações desenvolvidas e civilizadas, sabe o que tem a fazer.
Precisa de ter finanças públicas transparentes, um Estado de Direito, tribunais independentes, leis claras, densas e precisas, um sistema efetivo de direitos, liberdades e garantias. Tem de manter um regime baseado na escolha consciente dos cidadãos, livremente expressa.
Se Angola quer chegar ao patamar das nações justas, deve repartir as suas riquezas de forma equilibrada e racional, valorizar o mérito e o trabalho, não discriminar em função da origem social, filiação ou doutrina.
Se Angola quer continuar o caminho da paz e do progresso, tem de transformar as forças armadas em fator de segurança externa, união e soberania. Não pode ter medo de manifestações, dissensão ou crítica, por mais extrema ou agreste que pareça.
Em muitos destes campos, Angola fez e continua a fazer grandes progressos. Não pode parar na encruzilhada. Nem deixar que outros decidam por si.
Nuno Rogeiro, Sábado, nº 386, 22 a 28-09-2011 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-