sábado, 24 de setembro de 2011

Oração de Voltaire

Plínio Sgarbi
A dissimulação é funesta em todas as coisas, pois corrompe e altera o sentimento da verdade.
Aqui coloco a prece de Voltaire, no seu "Tratado sobre a Tolerância", data de mais de duzentos anos e tão atual para os dias de hoje:
"Não é mais aos homens, portanto, que me dirijo, é a ti, Deus de todos os seres, de todos os mundos e de todos os tempos; se for permitido a frágeis criaturas perdidas na imensidão, e imperceptíveis ao resto do universo, ousar te pedir alguma coisa, a ti que tudo deste, a ti cujos decretos são tão imutáveis como eternos, digna-te olhar com piedade os erros unidos a nossa natureza; que esses erros, de maneira alguma, causem nossas calamidades.

Tu não nos deste, de forma alguma, um coração para nos odiarmos e mãos para nos esganarmos; faz com que nos ajudemos mutuamente a suportar o fardo de uma vida penosa e passageira; que as pequenas diferenças entre as vestimentas que cobrem nossos débeis corpos, entre todas as nossas línguas insuficientes, entre todos os nossos ridículos costumes, entre todas as nossas leis imperfeitas, entre todas as nossas opiniões insensatas, entre todas as nossas condições tão desproporcionadas a nossos olhos, e tão iguais diante de ti; que todas essas pequenas nuances que distinguem os átomos denominados homens não sejam sinais de ódio e perseguição; que os que acendem velas em pleno meio-dia para te celebrar suportem aqueles que se contentam com a luz de teu sol; que os que cobrem seu hábito com um manto branco para dizer que é necessário te amar não detestem aqueles que dizem a mesma coisa sob uma capa de lã negra; que seja igual te adorar num jargão formado de uma língua antiga, ou num linguajar mais novo; que aqueles cujo hábito é tingido de vermelho ou de púrpura, que dominam sobre uma mínima parcela de um pequeno amontoado de lama deste mundo, e que possuem alguns fragmentos arredondados de um certo metal, desfrutem sem orgulho daquilo que chamam de grandeza e riqueza, e que os demais os vejam sem inveja; pois tu sabes que nessas vaidades não existe nada para se invejar, e nada de que se orgulhar.


Que todos os homens possam se lembrar de que são irmãos! Que tenham horror da tirania exercida sobre as almas, assim como consideram execrável o banditismo que arrebata pela força o fruto do trabalho e da indústria pacífica! Mesmo que os flagelos da guerra sejam inevitáveis, não nos odiemos uns aos outros no seio da paz, e empreguemos o instante de nossa existência para abençoar, igualmente, em línguas diversas, do Sião à Califórnia, tua bondade que nos deu este instante."

Voltaire, tela de Nicolas de Largillière 
Voltaire: pseudônimo literário do escritor e filósofo francês François-Marie Arouet, nascido em 1694 e falecido em 1778 - Tornou-se conhecido e admirado em toda Europa como um paladino do Iluminismo, sempre pronto para criticar a tirania, a denunciar a injustiça e a combater o fanatismo religioso e a intolerância.

Enfim...
O mundo poderia ser um pouco diferente se as igrejas doutrinassem os seus fiéis para que ao se deitarem à noite, dirigissem-se assim a Deus:
" Senhor, trata-me amanhã como tratei os outros hoje ".
Texto: Plínio Sgarbi, Jaú/SP

Relacionado:

Um comentário:

  1. GRANDE!

    Sou fã de Voltaire. Foi o Johnny Rotten de outro século.


    "A Inglaterra tem 18 religiões e hoje vive em paz interna. Portugal, Espanha e França têm só uma religião, e vivem permanentemente em guerra interna."

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-