terça-feira, 17 de novembro de 2020

[Atualidade em xeque] Correios & Telegraphos

José Manuel 

Em 25 de janeiro de 2020 esta empresa, um ultra valioso bem nacional, completou 357 anos pois foi fundada em 1663. 

O valor desta empresa é simplesmente incalculável, não só pelos bens móveis e imóveis distribuídos em todo o território nacional, mas acima de tudo pelo serviço postal que vem prestando à Nação nestes três séculos e meio de vida. 

Empresas com um histórico como este fazem parte da vida de um povo e não podem jamais serem subtraídas da história desse povo. 

Mas… como no Brasil opta-se sempre pelo mais fácil, menos trabalhoso e sempre mais generoso “of course”, vem aí mais uma picaretagem travestida de modernidade com o pomposo nome de "privatizações". 

Normalmente, isto tem acabado em generosas "doações " como foi o caso da CSN (Companhia Siderúrgica  Nacional) "doada" a  famílias proeminentes da República, pela dupla Collor/Itamar como um presente das mil e uma noites, e a VALE DO RIO DOCE (minérios) empresa altamente estratégica ao Brasil, "doada" por Fernando Henrique Cardoso por US$ 3 bilhões quando as suas reservas eram estimadas em US$100 bilhões, mais uma rede  ferroviária pertencente ao povo,

 "de graça" a banqueiros picaretas que exportam nosso minério a preço de bananas e causam crimes ambientais bárbaros como os de Mariana e Brumadinho, por exemplo, sem a contrapartida indenizatória decente e devida ao país lesado, famílias e meio ambiente destruídos. 

A última deste governo atual, é a de que os Correios serão privatizados em 2021, passando novamente um atestado de incompetência formidável pois uma empresa como esta, no mínimo gerencia-se com eficiência, não se vende! 

A CSN apresentou um lucro líquido no terceiro trimestre de 2020 de R$ 1,2 bilhões. No mesmo trimestre a Vale apresentou um lucro líquido de R$ 15,6 milhões. A soma desses lucros teria, por exemplo, dado para reequipar nossas forças armadas com o que há de mais moderno e sofisticado, só para se ter uma pequena ideia, alavancando o país ao clube seleto de grandes potências com reflexos altamente positivos em sua política externa. 

Ao contrário dos Estados Unidos que tanto gostamos de copiar, e  que mantém 91% de aprovação  da sua população  pelo  seu USPS desde 1775, queremos vender nosso patrimônio, mais antigo inclusive que o americano, simplesmente por não termos capacidade técnica, intelectual para gerenciar o sistema e alegando ineficiência laboral sistêmica, quando na realidade a incompetência é da União. 

Roubar pode, pois somos altamente experts no assunto, gerenciar jamais pois não temos competência para tal. 

O assalto por 13 anos ininterruptos ao fundo de pensão Postalis é a melhor prova da nossa capacidade para o mal, para a malandragem.

O Brasil nunca privatizou nada a sério!

Ou doou, como fez com o minério  e o aço, ou exterminou, como fez com a quinta maior empresa de aviação do planeta, a VARIG, ou arrasou com a ENGESA que chegou a ser a sexta maior exportadora de material bélico do mundo, deixando o país imensamente defasado em material militar, tendo que comprar agora material usado, gastando milhões em reformas emergenciais e a toque de caixa com a bronca bolivariana batendo à nossa porta. 

E com os Correios, nada será diferente, indo o dinheiro parar em contas de corruptos no exterior ou nos fundos eleitorais tão bem conhecidos. 

E a máxima de sempre continua, ou seja, vão-se os anéis, ficam os dedos. 

Não é à toa que gigantes como as americanas Amazon, Fedex, UPS, a chinesa Alibaba, a alemã DHL, a Argentina Mercado Livre e alguns picaretas tupiniquins estão tremendamente assanhados em abocanhar um diamante desse quilate. 

Por que será que essas empresas estão prontas a lutar com todas as armas para ganhar a posse desse ativo? Por que será? 

O Brasil não quer mudar, não tem jeito, e o resultado das eleições recentes o prova. Por sua vez o povo vê a sua história sendo apagada vorazmente, escolas, hospitais, saneamento básico sem solução, os seus empregos perdidos e não reage, não faz absolutamente nada e reafirma isso nas urnas! 

Título e Texto: José Manuel - Dans l’Avenue Foch, 17-11-2020 

Anteriores:
Salto alto
Carnaval macabro
As bestas do apocalipse
Kombi abandonada em situação regular!?
Dados móveis
A reincidência

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-