sexta-feira, 12 de março de 2021

[Aparecido rasga o verbo] Não há porta que resista

Aparecido Raimundo de Souza

O DOUTOR ROQUE TAQUIAFERRO
, médico ginecologista e sua esposa doutora Bebel Taquiaferro, pediatra, tem uma mansão de fazer inveja a qualquer um, na Rua Antonio de Andrade Rabelo, no Morumbí, bairro nobre de São Paulo. Para se ter uma ideia, do tamanho da residência dos Taquiaferro, a construção é um pouco maior que a casinha do dono do SBT, Silvio Santos, edificada na mesma rua, três portões acima.

No enorme solar, além do doutor Roque e sua esposa, a propriedade abriga Pepeu e Laurita, os dois filhos do casal respectivamentes de oito e dez anos e mais seis empregados, cada um deles em seu próprio quarto, com todas as comodidades imagináveis. Desta meia dúzia de serviçais, dois se destacam. O motorista do doutor Roque e da esposa dele, o Chição Lambreta e a Cibele Caçarolinha, babá das crianças, praticamente uma segunda mãe, tendo em vista que os pais, em face de seus compromissos laborais, pouco param em casa.

Por esta razão, Chicão Lambreta e Cibele Caçarolinha desfrutam dos aposentos no interior da casa, separados um do outro apenas por um corredor enorme que começa depois da ampla cozinha atravessando toda a área de serviço que desemboca nas dependências dos demais funcionários. Cibele Caçarolinha é uma moça linda, bem feita de corpo, na linha dos trinta.

Se comparada à esposa do doutor Roque Taquiaferro, além de ser mais bela e formosa que a patroa, é dona de uma aparência elegante e perfeita, além de extremamente provocante e sensual. Chicão Lambreta, por seu turno, não deixa nada a desejar. De corpo atletico e saradão, se assemelha a um daqueles atores hollywoodianos, ao estilo Vin Diesel, de Velozes e Furiosos. Chicão está apaixonado por Cibele.

Desde que foi busca-la na rodoviária, há cinco anos atrás, chegada de Santos, contratada para ser pajem dos filhos do patrão (em substituição a babá anterior, que fora embora, por motivo de ter se casado), não a tirou mais de seus pensamentos. Mais velho que ela três anos, o rapaz tem feito de tudo para conquistar as graças e os deleites da bela, todavia, as suas investidas de aproximação para um contato mais íntimo, sempre caem por terra. Cada tentativa, a moça se esquiva, lhe dando um fora com elegância sutil jogando, como se costuma dizer, ‘baldes de água fria com pedrinhas de gelo’.

Por consequência, toda a sua vontade férrea de lhe fazer a corte, e ser correspondido, redunda em nada. Esta noite, como em tantas e tantas passadas, após todos se recolherem, Chicão Lambreta resolve, mais uma vez, tentar a sorte. ‘Água mole em pedra dura —, comunga com seus botões —, tanto bate até que fura’. Com esta determinação guiando seus passos, se esgueira do seu quadrado tomando o corredor imenso, e o faz, pé ante pé, como um gato arisco à caça de um rato mais arisco ainda.

Seria a derradeira vez, jurou a si mesmo, enquanto se punha a caminho. Se falhasse, deixaria, em definitivo, a graciosa em paz e partiria para outra. Bate na porta de Cibele com o nó dos dedos e a chama quase em sussurro:
— Cibele!... Cibele, minha princesa. Por favor, abra...
Sabe que a moça está acordada. Em vigia, percebera que ela acabara de sair do quarto de Pepeu e, antes de se dirigir para o seu, deu uma espiada em Laurita.

Em seu cantinho, uma luz que escapa por uma janela que desemboca frontalmente para a dispensa (apesar da cortina fechada), se apaga:
— Cibele... Cibelinha... Abra. Ao menos rogo que escute o que tenho a lhe dizer. Você sabe o quanto gosto de você. Abra. Me de uma chance!
Cibele continua calada. Chicão Lambreta volta a insistir. Bate de novo e de novo, agitado e pressuroso.
— Cibelinha!... Abra e me deixa entrar...

Qual o quê! Nem um sinal vem do interior que lhe dê uma esperança, por menor que seja. Chicão Lambreta então se lembra do que, certa vez, lhe dissera seu pai, quando conheceu a sua mãe e se apaixonou por ela. ‘Nunca desista’.

Usaria o mesmo argumento e algo mais (como complemento ao ‘nunca desista’. Quem sabe, desta vez, conseguisse ver ressurgida a sorte de seu velho e falecido pai, na difícil empreitada.
— Cibelinha... Ah! Cibelinha... Olha, minha gatinha... Se você soubesse com o que é que eu estou aqui fora batendo!...
Como num passe de mágica, a porta se escancarou. Segurando a maçaneta, diante dele surge a mulher que tanto seu coração de homem sozinho e carente queria e cobiçava.

Ela preencheu o umbral se fazendo mais linda e inimitável ao olhos do seu galanteador, vestida num Baby Doll branco, onde as suas curvas pecaminosas, através da transparência do tecido deixava à mostra, todo o colosso e a generosidade das suas formas garbosas e magistrais.

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro. 12-3-2021

Colunas anteriores: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-