quinta-feira, 4 de março de 2021

Secretário de Saúde do RJ descarta novas medidas restritivas no Estado

Carlos Alberto Chaves comparou um possível toque de recolher às ações da ditadura militar

Larissa Ventura

Na manhã desta quinta-feira, 4 de março, o Secretário de Estado de Saúde no Rio de Janeiro, Carlos Alberto Chaves [foto], em entrevista ao Bom Dia Rio, na TV Globo, descartou a possibilidade de novas medidas restritivas serem adotadas pelo governo estadual e afirmou que o governo já adota medidas de combate ao coronavírus.

O secretário disse que existe um alarmismo diante da covid-19 e comparou um possível toque de recolher às ações da ditadura militar.

Questionado sobre a necessidade de o governo adotar ações preventivas, o secretário respondeu que as medidas estão sendo realizadas. Ele defendeu que a melhor solução é intensificar a distribuição de vacinas, e que a ocupação de leitos no estado não justifica a necessidade de maiores contenções até o momento.

A prevenção é importante e estamos tranquilamente fazendo isso. A prevenção é a pesquisa, os exames de saúde, o monitoramento dos leitos, junto com a presença da saúde dos municípios. Qual a solução para isso tudo? É a vacina, 70% da população, nós ficamos tranquilos” afirmou o secretário.

Chaves ainda criticou especialistas que têm defendido o aumento nas restrições no estado: “Eu tenho que pensar que muitos desses pesquisadores nunca botou (sic) a mão em um doente, nunca viu um doente na frente. É muito fácil falar dentro de um ar-condicionado. Estamos fazendo a prevenção sim!“, disse o secretário.

A partir desta sexta-feira (5/3), a prefeitura do Rio adota novas medidas restritivas para conter o avanço da Covid-19. Bares e restaurantes terão ‘toque de recolher’ e não podem funcionar após às 17 horas, boates, quiosques e feiras não poderão funcionar e ambulantes não vão poder trabalhar nas praias da capital. A medida vai até ao dia 11 de março.

Título e Texto: Larissa Ventura, Diário do Rio, 4-3-2021

Relacionados: 
Quem deve tomar primeiro a vacina contra o vírus chinês? 
‘Onde tiver vacina para comprar, nós vamos comprar’, diz Bolsonaro 
Bolsonaro fala em plano contra a covid-19 e cita o STF 
Rio de Janeiro: até o fim de março serão imunizadas pessoas na faixa etária de 67 a 78 anos de idade 
Rio terá toque de recolher às 23h a partir de sexta-feira 
Ensaio do caos 
Garcia: Querem transferir o desgaste da restrição para o governo federal 
Coppolla revela: Pandemia empobreceu o país e enriqueceu Estados e municípios 
Espera de idosos por vacina em São Paulo dura até 5 horas na fila 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-