quarta-feira, 16 de junho de 2021

Acertos do governo ajudaram indústria a manter o fôlego na pandemia, afirmam analistas

Flexibilização das regras trabalhistas e linhas de crédito especiais foram determinantes para a economia voltar a rodar em alta velocidade

Foto: Leandro Ferreira/Foto Arena/Estadão Conteúdo

Fábio Matos

O bom desempenho da indústria brasileira no primeiro trimestre deste ano, mesmo diante das enormes dificuldades impostas pela pandemia de covid-19, se deve também a acertos do governo federal. Esta é a avaliação de especialistas ouvidos por Oeste, que falaram sobre a retomada econômica do país em 2021 (clique aqui para ler a reportagem especial completa).

“O governo acertou quando fez a flexibilização das regras trabalhistas permitindo a suspensão de contratos, redução de salário e jornada, com o complemento parcial de verbas públicas dos salários. Isso fez com que a gente sofresse menos perda de emprego formal e pudesse manter o poder de compra desses trabalhadores”, afirma o diretor-executivo de economia e estratégia da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), André Rebelo.

“A outra coisa foi em relação ao capital de giro das empresas. Primeiro o governo atrasou o recolhimento de alguns impostos federais e esse dinheiro ficou nas empresas. Isso ajudou na travessia da fase mais aguda da pandemia. E depois fez linhas de crédito especiais, principalmente para pequenas empresas. Por fim, o auxílio emergencial colocou demanda nas famílias. O governo injetou quase R$ 300 bilhões, e isso virou consumo e gastos das famílias, o que fez a roda da economia voltar a girar. Com isso, entramos no ano com a indústria e o varejo em níveis acima do que estavam antes da pandemia”, completa.

Marcelo Azevedo, gerente de análise econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), afirma que foi necessário manter a atividade em níveis mais altos para suprir estoques baixos em alguns setores. “A recuperação forte foi muito acelerada e aconteceu com uma certa descoordenação das cadeias produtivas maiores. Estamos com um problema de insumos e matérias-primas, com estoques baixos. Então, a atividade vem se mantendo alta também para tentar acertar essa questão dos estoques”, aponta.

A indústria automobilística, por exemplo, ainda vem sofrendo muito pela falta de insumos para a produção de peças. “O setor de veículos automotores foi muito prejudicado pela parte das exportações. Esse desarranjo de oferta e demanda nas cadeias [produtivas] é muito prejudicial. É uma linha longa, com ajustes apertados, em termos de fornecimentos e linha produtiva. Qualquer ruptura atrapalha bastante. Então, é um setor que realmente vem tendo dificuldades.”

Rebelo fala em uma “engasgada” da indústria automobilística, que chegou a esboçar reação, mas vislumbra uma rápida retomada. “A indústria automobilística teve uma boa recuperação e agora deu uma engasgada, tanto por restrições no comércio em março quanto por falta de componentes, mas já está retomando. Os dados de abril mostraram crescimento de 8% e deve haver outro crescimento em maio. As vendas não caíram tanto com as restrições. Veremos uma aceleração na produção de automóveis nos próximos meses.”

Título e Texto: Fábio Matos, revista Oeste, 16-06-2021

Relacionados: 
“A resiliência da indústria” 
“Avanço da vacinação impulsionará retomada, dizem especialistas”
“Fitch eleva projeção de crescimento do PIB para 5% em 2021” 
Cento e trinta anos à deriva 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-