terça-feira, 24 de janeiro de 2023

Pedra e vidraça

Foto: Jarbas Oliveira/EFE

Alexandre Garcia

Essas pouco mais de três semanas do novo governo estão cheias de emoções. Para nós, jornalistas, para os de governo e para os da oposição, para investidores, empregados e patrões. Tempos extremamente difíceis para cartomantes, jogadores de búzios, detentores de bolas de cristal e afins.

Se “no Brasil, até o passado é imprevisível”, parece que estamos nas mãos do acaso, que vai armando a cada dia um quebra-cabeça em que seguimos animados pelo consolo de que “a esperança é a última que morre”. Tudo isso ainda sem o ingrediente mais barulhento da política, que se exerce principalmente dentro do Legislativo, que reabre quando janeiro terminar.

É chavão, mas o Brasil não é um país para amadores; o problema é que faltam profissionais.

Na Argentina, repetiu-se o susto da moeda conjunta, tentando ligar o peso de quase 100% de inflação com o real de menos de 6%; e o BNDES vai ser de novo internacional – BIDES, talvez; em Davos, foi o medo de termos 120 milhões de pedintes famintos e a sugestão de não se comprar nem um palito de fósforo dos empresários direitistas.

Em Brasília, a surpresa de ter ao lado do presidente um comandante do Exército de inteira confiança numa sexta-feira e no sábado já tê-lo destituído por falta de confiança. E ainda temos a vergonha de Yanomamis vítimas principalmente de desnutrição – 20 mil pessoas que ocupam num território igual ao de Pernambuco, habitado por 9 milhões. E quem aplica suas economias no mercado, ganha um susto adicional ao saber que a Americanas deu uma pedalada de 20 bilhões. É chavão, mas não é um país para amadores; o problema é que faltam profissionais.

Isso sem falar nas consequências da catarse do dia 8, em que brasileiros destruíram seu próprio patrimônio, incluindo preciosidades históricas, artísticas e culturais. Agora a Justiça não quer saber se a pessoa vivia um sonho impossível com fuga da realidade, pois muitos ainda não entenderam o que está acontecendo. Nada de mal em haver ideias opostas; o problema é a radicalização, como se o oposto fosse sempre o mal. É o Deus e o diabo de religião transposto para a política. Não há debate racional possível.

O país está dividido e não é de agora. Quem estava contra o governo nos últimos quatro anos agora é governo; é vidraça. Quem era vidraça, agora é pedra. Só precisa manter a metáfora como uma imagem, e não sair apedrejando vidros do Supremo ou do Palácio do Planalto literalmente. Embora seja acaciano, oposição e situação são essenciais para o embate democrático. Nos últimos quatro anos os dois lados se queixaram. A tentação agora é dar o troco. Não nos deixeis cair em tentação, porque a carga de energia potencial está a ponto de transbordar.

Título e Texto: Alexandre Garcia, Gazeta do Povo, 24-1-2023, 11h

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-