sexta-feira, 20 de janeiro de 2023

[Foco no fosso] Melhor ter um celular reserva

Haroldo Barboza 

Em meados de 2012, foi “inaugurado” o BRT-RJ (sistema de transporte com vias exclusivas para ônibus articulados) para impressionar estrangeiros que aqui chegavam para a Rio+20. Como 95% dos convidados ficaram hospedados na orla da Barra, ficaram “deslumbrados” com as imagens possíveis de serem vistas nesse entorno.  

Se tivessem se deslocado 5 km para fora deste perímetro, veriam trechos com manilhas por colocar, falta de postes de iluminação, falta até de asfalto e quase 15% de estações (mais de 150 previstas na rede) sem condições para permitir trânsito de usuários. Este é o padrão de “inauguração” no Brasil. Quem puder, mande notícias do BRT de Pernambuco

Até 2014, apesar de incompleto, o sistema ainda se sustentou para não comprometer a imagem da copa de futebol em andamento. Com pistas e ônibus ainda “novos”, o sistema aparentava regular funcionamento. 

Os turistas da época não devem ter sido informados das 22 mortes ocorridas neste período. Quando noticiadas, provavelmente ocupavam rodapé das páginas finais dos periódicos. Certamente agora em 2022 (sob a mesma gestão de 2012) o total de mortos deve estar perto de 100 pessoas. Não encontramos um banco de dados relacionando tal quantidade. 

Terminada a copa de futebol, o ”investimento” foi reduzido em 90% apesar do IPTU estar sempre aumentando. Os problemas cresceram na mesma proporção. Os mais comuns (por ordem alfabética):  

- Amortecedores e suspensão danificados (trafega inclinado);

- Ar refrigerado enguiçado em 70% da frota (até 2014 todos ok);

- Estações sem proteção contra vandalismo;

- Gotejamento de chuva no interior do veículo;

- Iluminação deficiente nas pistas;

-Intervalos acima de 15 minutos (até 2014 não passava de 4 minutos);

- Pistas onduladas e esburacadas;

-Pneus carecas;

- Portas não fecham totalmente (por isto caem vítimas fatais);

- Sinalização precária nos cruzamentos com transversais;

- Super lotação;

- Tampas dos motores abertas por falta de fechos. 

Este menu gerou “indignação” nos deputados estaduais em 2022. Como tal protesto não surtiu efeito, deduzimos que foram devidamente “convencidos” que tudo está normal. 

Agora em 2023, o Prefeito produziu uma “pérola” de orientação aos usuários para preservação do equipamento:

”Ao observarem algum ato de vandalismo, denunciem no canal 1746 para que as devidas providências sejam tomadas”. 

Nos vem à cabeça a seguinte cena: o cidadão de bem, indo para casa no aperto cotidiano, nota três incautos forçando a porta traseira para que o ambiente seja ventilado. Liga a câmera do seu celular e inicia a filmagem do ato criminoso para ajudar a identificar os vândalos na delegacia. 

Na melhor das hipóteses, apenas terá seu celular jogado pela janela.  

Qual é o sistema de vigilância que os governantes usam para tomar conta do patrimônio público? 

Nossa sociedade é um colosso. Sobrevive no fundo do poço. 

Título e Texto: Haroldo P. Barboza – Vila Isabel/RJ, janeiro de 2023  

Relacionados: 
Tornando-se nobres 
[Foco no fosso] Por falta de datas 
[Foco no fosso] Despedida 
Não vamos aposentar as renas 
Um trimestre por pleito 
[Foco no fosso - Extra] Vacina para covid-171 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-