terça-feira, 8 de dezembro de 2020

[Aparecido rasga o verbo] O sublunado da poça de água suja

Aparecido Raimundo de Souza 

ERA UM SUJEITO UNGUINOSO e, para completar, extremamente epicurista. Tinha os cabelos gordurosos e os olhos defuntados como o de um cadáver em decomposição. Se assemelhava, na verdade, a um corpo ambulante saído, às escondidas, de alguma sepultura recém aberta por ladrões vandalizadores, dessas espécies que vivem à procura de cemitérios periféricos em torno de cidadelas e lugarejos sem vida profusa e farta, para surrupiarem o que de algum valor, ainda que irrisório, pudesse, por ventura, ser encontrado. 

Sua pele, apesar da hiperemia superabundante, dava para se ver, de longe, se destacava a quilômetros pela oleosidade excessiva, como se brotasse, de todos os poros existentes de sua epiderme, algo incomum. O despiciendo se parecia, olhado assim, de prima vez, com um flagicioso que se ocultava de ser visto, ou pior, vegetava como um louco monoteísta, distanciado das outras pessoas da sua comunidade, em face de ter cometido alguma delito imperdoável. Em verdade, nem uma coisa, nem outra. 

Se tamponava, a sete chaves, não por atos maléficos. Simplesmente por se achar um cara feiudo, mais horrendo que o verruguento Quasímodo, de Victor Hugo, com a diferença de que o Quasímodo original se fez conhecido mundialmente por ter salvo a cigana Esmeralda (e se apaixonado por ela), quando a beldade inocentemente se envolvera num possível assassinato, ao passo que este, esquisito e ‘descorcundado’, sequer tinha noção ou saberia dizer com certeza, a procedência correta de seu local de nascimento. 

Levando em conta as suas poucas ledices e, sobretudo a solidão, procurava, sempre que surgia a oportunidade, se mostrar um camarada alegre com as pessoas. Se fazia chistoso e brincador com as crianças, galante com as moças, risonho e venusto com os mais velhos, contente e garboso quando alguém, na rua, o cumprimentava, ainda que não parasse para papear; apenas se detendo para a ligeirice de trocar um bom dia; boa tarde ou boa noite. 

Um jornalista que se punha indo embora, de volta para a capital, atravessava a derradeira  rua a caminho de pegar a BR, quando, a certa altura, numa curva que indicava um desvio de terra, antes do entroncamento da rodovia, avistou um anódino mediano tentando resgatar alguma coisa com um pedaço de papelão na terra barrosamente vermelha que parecia ter caído numa poça de água suja. 

Curioso, como todo repórter em início de carreira, num primeiro momento achou comovente aquele ato de gentileza misericordiana, e, por segundo, seu tino atiçado por alguma matéria nova, fez com que parasse imediatamente o carro. Desceu e se dirigiu ao desconhecido. 

Gritou um ‘boa tarde, amigo’, à introdução de puxar conversa. Em seguida, indagou pelo nome do pé-rapado. ‘Me chamo Corbusier —, respondeu o interpelado, de cócoras —, não desviando as vistas do que fazia. Logo que lhe foi dada a resposta, sem que o jornalista pedisse, se ateve a figura a relatar de onde descendia a origem de seu patronímico. 

O solitário falava muito vagarosamente, imbuído, porém, numa característica divertida. Revelou que seu apelido batismal vinha de um famoso arquiteto urbanista e pintor nascido em La Chaux-de-Fonds, na Suíça. 

Sempre dentro de uma simplicidade elegante, revelou ter conhecido toda a obra fantástica do poeta carioca Dante Milano chegando a afirmar para o rapaz que o interceptara, que ‘a estética prosal de Milano fez dele, enquanto viveu, um escritor que ‘não buscava os espalhafatos da sua vida comum, tampouco gostava de se vangloriar ou declamar seus versos publicamente’. 

Seguiu com seu relato trazendo à baila que ‘Dante foi funcionário público na antiga Ilha das Cobras, servindo, anos depois, no Juizado de menores, na Praça Mauá, quando o Edifício ‘A Noite’, nem imaginava ser construído. Publicou a primeira antologia de poetas do modernismo e, só em 1940, é que veio trazer à público os seus melhores versos considerados, na época, tristes e melancólicos’. 
Em seguida, ainda sem se desviar do que fazia, acrescentou:
— Sou, na verdade, meu caro amigo, um histrião por natureza, um bobo da corte, um saltimbanco meio fanático pelas coisas mais corriqueiras, como, por exemplo, tentar fazer com que este pobre e indefeso inseto himenóptero (conhecido como formiga) consiga continuar vivendo sem que a morte prematura lhe arranque o sabor do desapoio de continuar respirando...

O jornalista franziu o cenho: 
— Formiga respira, meu caro senhor Corbusier? 
— Sim. Se não respirasse, não teria vida. Seria um ser dissonanciado dos benfazejos do Grande e Majestoso Eloim. 
O jornalista, apesar do seu alto saber das coisas, pareceu, meio perdido diante daquela palavra: 
— Não entendi a sua citação à Eloim! 
O esforço do homem para salvar a formiga resultou satisfatório. 

Colocou–a longe de passos incertos que a pudessem esmagar, levantou o mais alto que pode o seu sincipúcio e mergulhou bem fundo o seu olhar no rosto interrogativo do mancebo:
— Não me disse seu nome.
— Carlos Tadeu. Sou jornalista.
— Jornalista? Interessante! E nunca ouviu falar de Eloim? Percebo, que o meu ilustre ‘escrevinhador’ não é muito chegado às Escrituras Sagradas.
— Por que diz que não sou?
— Se o prezado fosse um sério ledor, ou observador das coisas que estão a nossa frente e não vemos, saberia que esta palavrinha faz referência à alguns estilhaços do Pentateuco, notadamente na parte em que o autor se refere à Deus, dando-lhe o nome de Eloim. Lembrando ao prezado que certos críticos, mundo afora, até hoje, imagine, até hoje, costumam distinguir erroneamente dos fragmentos jeovistas quanto à era e à raiz.
— Já que tocou neste assunto, posso lhe fazer uma outra pergunta? 
— Em frente. Sou todo ouvidos. 
— O senhor leu o clássico Elogio à Loucura? 
— De cabo a rabo. Desculpe. Do princípio ao fim... 
— Estou pasmo! 
— Na verdade, o nome certo desta obra, se me permite uma pequena correção, é Elogio da Loucura. Livro raro, porém, ainda encontrável em sebos e antiquários. 

Fez uma breve pausa e logo a seguir, continuou: 
— Foi escrita pelo holandês Erasmo de Rotterdam, ou Roterdão (Roterdão, é a cidade onde ele nasceu, daí seu nome ligado ao vilarejo) na qual seu autor criticava satiricamente as diversas profissões e, principalmente o clero alemão, clero este, bem entendido, anterior à reforma Religiosa de sua época... 
Terminada a explanação acrescentou: 
—... Creio, grosso modo falando, esse trabalho de Rotterdam é do tempo em que os malucos de plantão juravam, de pés juntos, que os monstros Endríacos habitavam a terra... 

— O senhor falou em monstros Endríacos?
— Perfeitamente. Em dias atuais, estes seres fabulosos ainda existem por ai, aos borbotões. Entretanto, fazem parte de uma outra mitologia chegada recente, e aparecem com outros nomes mais popularescos. 
— E quais seriam? 
— Estupradores, violadores de crianças, defloradores de menores incapazes e mulheres castas. São os pedófilos, os tarados, os maníacos, enfim... A evolução dos Endríacos de ontem... Com outra roupagem e nomenclatura mais apropriada aos tempos hediondos em que vivemos. 

Em entendimento definitivo à sua conclusão, completou: 
— A feridade embutida neste inventário, ou se preferir, nesta lista, deixa cristalinalizado a visão machucadora, a chaga aberta, a ulceração necrosada se dimensionando de forma quase abissal. 
O jovem jornalista ficou branco e perdido, como uma folha de papel A4 saído, às pressas, de uma resma: 
— Entendo! 
— Se me permite, caro jovem, lhe darei um conselho. Siga seu caminho, sempre de cabeça erguida. Trilhe os passos de Goethe. Goethe a meu entender, é ainda hoje, um dos maiores gênios da humanidade. Acredito que já tenha ouvido falar dele... 

E esclareceu, antes que o repórter dissesse alguma coisa, corroborando as suas palavras e ensinando que: 
— Goethe, meu rapaz, estudou em Leipzig e Estrasburgo, terminando o curso de advogado. Sua vida, meu caro garoto (desculpe o modo de tratamento), se fez tão intensa e maravilhosa, como a sua obra: ele conheceu a glória, o poder e a fortuna. Viveu amores, desfrutou benefícios e viagens. Tudo girou em torno de sua passagem pela Terra engalanando não só a sua vida pessoal, como, igualmente, o tornou um inconfundível escritor de prestígio universal... 

O jornalista ficou, mais uma vez, sem palavras. Por fim: 
— Meu caro amigo Corbusier —, obrigado pelos conselhos e também pelas lições de vida e de conhecimento que me ensinou. Sinceramente, gostaria de poder vê-lo de novo, se me permite. Onde mora, o que faz, onde posso encontrá-lo numa outra oportunidade para novos bate-papos e troca de informações? 

Quando o jornalista se virou para voltar do seu carro com o celular, a figura do ermitão que se dizia chamar Corbusier simplesmente havia desaparecido misteriosamente, como se, num repente, tivesse sido tragado pela poça de água barrenta onde a inerme figura da formiguinha se debatia, quase embalde e sem forças... 

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de São Luiz do Maranhão. 8-12-2010

Colunas anteriores: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-