sábado, 8 de janeiro de 2022

[Pernoitar, comer e beber fora] Premier Copacabana Hotel. 207

Fica na Rua Tonelero, 205, Copacabana. (By the way, é Rua Tonelero, não Toneleros!).

Escolhi-o, do outro lado da lagoa, pelo custo, pela localização e pelas fotos. E reservei pela Booking.com. Isto é, julguei estar perto de tudo, o que me faria economizar ‘aplicativos’.

Realmente, economizei ‘aplicativos’ e, embora a Tonelero não seja tão perto assim da Avenida Atlântica, existe farto comércio na vizinhança do hotel.

Não caminhei muito, aliás, muito menos do que imaginei, porque Copacabana está um lixo. Lixo, de lixo, gente dormindo nas calçadas durante o dia, inclusive crianças, pedintes e ‘ouvintes’, vendedores de tudo e mais alguma coisa, camelôs, desocupados caminhantes suspeitos… Não tirei uma única foto. Por medo. Aliás, não avistei ninguém tirando foto. Terão motivos.

Voltando ao hotel. Ponto positivo: o café da manhã. Além dos triviais queijo prato e presunto, ovos mexidos, pão de queijo… frutas: mamão, melão, manga, abacaxi e melancia. E o café, de saco. Também tinha máquina para café.

O quarto, horrível. 207 é o número. Podia ter recusado de cara, podia. Mas desfiz as malas e arrumei os pertences.

Cheguei a comentar, no dia seguinte, com o recepcionista que me atendeu. “Inacreditável disponibilizar um quarto desses para um hóspede que vai pernoitar sete noites!!”

Posteriormente, durante a estada, a atenção dos recepcionistas deixou bastante a desejar. Ignoraram o meu pedido de impressão de dois documentos: o cartão de embarque e o resultado do teste RT-PCR.

Foi a dernière fois no Premier Copacabana Hotel!

Ah, antes de me despedir, deixa eu dizer uma coisa muito importante: minhas opiniões passadas, presentes e futuras, ‘escrevidas’ nesta coluna, revelam o que senti, porque senti, o que julguei e porque julguei assim ou assado. Que a minha experiência ajude você a decidir, e ao estabelecimento a melhorar! Não saio por aí acompanhando a repercussão da minha opinião, pedindo aplausos ou likes, alucinado pelo ódio e desejando a destruição (ou o cancelamento) do estabelecimento que critiquei. Em tempos atuais, imperativo este esclarecimento. 

Anteriores: 
Cinco lugares para comer feijoada no Rio de Janeiro 
Receitas com sabor a Natal: o bolo rei da Capuchinha do Rossio, Viseu 
CADEG recebe tradicional Festival do Bacalhau a partir de sexta 
Bar da Portuguesa, em Ramos, é o mais novo Patrimônio Cultural do Rio 
Os chocos do Manjuba 
Vogue Square Hotel, no shopping do mesmo nome 
Curadoria, a cura é uma porcaria

2 comentários:

  1. O hotel não tem estacionamento privativo.

    ResponderExcluir
  2. Esqueci de mencionar: de repente, o televisor começa a tremer e apaga.
    Comuniquei à recepção no dia seguinte quando saía para os meus afazeres.
    Quando voltei liguei o televisor. Não deu.
    Tenho pra mim que o "técnico" só trocou as pilhas do controle.
    Desisti.

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-