sábado, 18 de setembro de 2021

[Pernoitar, comer e beber fora] Bar da Portuguesa, em Ramos, é o mais novo Patrimônio Cultural do Rio

Inaugurado em 1968, o boteco é conhecido pelo tradicional bolinho de bacalhau e os famosos jiló e sardinha frita

Altair Alves

A cidade do Rio de Janeiro tem mais um patrimônio cultural. É o Bar da Portuguesa, tradicional botequim localizado em Ramos, na Zona Norte da cidade. Neste domingo (12/9), o Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), fixou a placa azul que identifica os locais considerados patrimônios da cidade na fachada do estabelecimento. A celebração teve a presença do prefeito Eduardo Paes; do subprefeito da Zona Norte, Diego Vaz; do secretário municipal de Cultura, Marcus Faustini; e donos de bares da região.

Com a chancela, o Bar da Portuguesa passará a integrar o Circuito dos Botequins do patrimônio carioca. Desde 2010, a Prefeitura do Rio contempla bares e botequins como patrimônio imaterial na categoria atividade econômica tradicional e notável. O Bar da Portuguesa é o 27º a figurar nesta relação, que conta com bares de tradição como Casa Paladino, o Nova Capela, Bar Adonis e Adega Pérola.

Inaugurado em 1968, o boteco é conhecido pelo tradicional bolinho de bacalhau. O Bar da Portuguesa coleciona boas histórias. A proprietária é a portuguesa Donzilia Gomes [foto]. Dondon, como é conhecida, dona de todas as receitas daquela cozinha, inclusive os também famosos jiló e sardinha frita. 

Ali perto nasceu e cresceu Pixinguinha (1897-1973), que se tornou frequentador assíduo. Na porta do bar, inclusive, tem uma escultura do maestro sentado numa cadeira onde ele costumava passar horas, assinada pelo cartunista Ique.

Circuitos do Patrimônio Cultural Carioca

Desde 2010, os Circuitos do Patrimônio Cultural Carioca começaram a ser feitos por temas que valorizem o patrimônio cultural carioca. Os circuitos deixaram de ser focados em arquitetura e passaram a abranger temas livres, ligados à cultura e à identidade carioca. Por meio da fixação de uma placa informativa, a Prefeitura do Rio seleciona locais de destaque para cada tema. Em cada placa, os visitantes podem saber um pouco mais sobre o local e sua importância para a história da cidade e para o tema em questão.

São 21 circuitos com bens culturais espalhados por toda a cidade. Entre os circuitos, temos: Liberdade, Art-Déco, Cinemas, Trem, Botequins, Águas, Samba, Bossa Nova, Praça Tiradentes, Herança Africana, Choro, Negócios Tradicionais e outros. Atualmente, são cerca de 242 placas por toda a cidade.

Os botecos são locais de celebração da vida do suburbano carioca. E as formas de comemorar o hoje ao longo dos anos nos bares nos deram patrimônios incríveis sejam na forma de beber, cantar, comer… Isso é a nossa cultura, nossa história que hoje felizmente temos o prazer de reconhecer como patrimônio cultural em vida a partir empoderamento de uma grande mulher suburbana“, comenta Diego Vaz.

“Os bares e botequins são tradicionalmente reconhecidos como locais de convivência democrática, que traduzem o espírito festivo carioca. Este circuito tem o objetivo de divulgar e informar sobre esse rico acervo de bens culturais existentes na cidade“, diz Laura Di Blasi, presidente do IRPH.

Título e Texto: Altair Alves, Diário do Rio, 14-9-2021

Anteriores: 
Os chocos do Manjuba 
Vogue Square Hotel, no shopping do mesmo nome 
Curadoria, a cura é uma porcaria 
"Tasca do filho d' Mãe", diz que é comida portuguesa
Lá no Riorta juro que me assustei… 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-