segunda-feira, 20 de setembro de 2021

As causas do fracasso da “terceira via”

Rodrigo Constantino

As pesquisas apontam para elevado nível de rejeição tanto de Lula como de Bolsonaro. Em que pese a legítima desconfiança com essas enquetes, parece evidente que os dois despertam mesmo um sentimento antagônico em muitos, o que seria a oportunidade para uma "terceira via" mais moderada. Não obstante, ela não decola. Por quê?

Um dos motivos é seu claro oportunismo. Essa turma passa o dia inteiro demonizando Bolsonaro, culpando o presidente pode tudo. É como se Bolsonaro fosse o próprio vírus chinês. Os mesmos que antes repetiam que a economia deveria ficar para depois, agora só falam de economia, de inflação, apontando o dedo para o presidente como o responsável. É tudo falso demais.

Além disso, trata-se de uma "terceira via" não só oportunista, mas esquerdista. No fundo, essa turma prefere Lula a Bolsonaro, o que já expõe seu radicalismo, sua total falta de compromisso com a ética, seu discurso furado sobre corrupção. É uma patota que, na prática, vira as costas para a demanda popular, para as causas que interessam a uma parcela significativa da sociedade, trata por ela como "fascista", já que o conservadorismo é criminalizado em nosso país.

A deputada Janaina Paschoal escreveu uma thread hoje em seu Twitter tocando na ferida, e vale a pena reproduzir o conteúdo na íntegra, pois ela vai ao cerne da questão: o desprezo da "terceira via" pelas bandeiras que a população considera importantes. Ficou faltando mencionar as armas também, diga-se de passagem:

Interessante constatar que vários partidos pretendem expurgar bolsonaristas de seus quadros. Primeiro, foi o PSL; na sequência, o NOVO; agora, o PSDB. Neste final de semana, o Deputado Federal Marcel Van Hattem explicou que ele e seus colegas de bancada não são bolsonaristas...

O que os dirigentes partidários não estão conseguindo enxergar é que os membros que eles definem como bolsonaristas são, na verdade, representantes da direita, indevidamente reduzida ao bolsonarismo. Essa cegueira deliberada impede encontrar a tal terceira via.

Ao negar a existência de uma maioria que não quer a legalização do aborto, que não quer a descriminalização da venda de drogas, que não quer crianças expostas a conteúdo sexual nas escolas... as siglas partidárias incidem no erro de sempre.

A tal terceira via só terá alguma chance de sucesso se corresponder às expectativas dessa maioria, que finda ficando com Bolsonaro, porque as siglas partidárias lhes negam opção. Mesmo nos Estados, não queremos mais do mesmo. Queremos Governadores que nos representem...

Que respeitem a diversidade, sem instituir uma ditadura de minorias. Os dirigentes partidários não estão sabendo ler a sociedade... talvez por viverem encastelados, crendo, equivocadamente, que podem criar um quadro e impor aos eleitores! Não funciona assim...

Mesmo se os vários aspirantes à terceira via abdicarem em prol de um único nome, se esse tal nome não atender, verdadeiramente, às expectativas da maioria, o escolhido não vai ganhar! Não adianta fundir partidos, não adianta criar legenda... nem fazer prévias...

Não queremos retrocessos nas pautas que importam à maioria. Esse é o ponto que precisa ser observado! Acompanho os trabalhos dos ministérios e gosto. Só votaria em alguém disposto a dar continuidade a esse trabalho. Como eu, há outros tantos brasileiros...

Quais as propostas dos que alardeiam o expurgo dos "bolsonaristas" das siglas? O que eles oferecem além do Fora Bolsonaro? São ocos! Por não verem a realidade, estão fadados ao fracasso! Dá até dó!

Quando observamos o comportamento do Amoedo, dos tucanos, do MBL, salta aos olhos essa falta de coerência, de respeito ao bom senso, aos valores conservadores, pois eles preferem tratar qualquer um que enxergue virtudes no governo ou que rejeite as alternativas como "gado", como "vendidos", como "golpistas". É o mesmo jogo sujo da imprensa, que também cai em descrédito total, perdendo o que restava de sua credibilidade. Foi o que apontou o experiente jornalista Carlos Alberto Di Franco: 

A sociedade está cansada, exausta, do clima de radicalização que tomou conta da agenda pública. Sobra opinião e falta informação. Os leitores estão perdidos num cipoal de afirmações categóricas e pouco fundamentadas, declarações de “especialistas” e uma overdose de colunismo militante. Um denominador comum marca o achismo que invadiu o espaço outrora destinado à informação qualificada: a politização.

A forte presença popular – não de baderneiros, mas de brasileiros comuns com suas famílias – nas manifestações do Sete de Setembro pediria uma leitura correta e manchetes adequadas aos fatos. Não foi o que aconteceu. Dois equívocos afloraram nas chamadas de alguns veículos. O primeiro deles foi simplesmente desqualificar os participantes de um evento pacífico como radicais e desconsiderar o que ocorreu.

Repudiar o que pensa uma parte tão expressiva do povo brasileiro é o caminho mais seguro para cair na irrelevância. Essa "terceira via", assim como nossa velha imprensa em geral, só fala para uma bolha, uma elite cosmopolita "progressista" que nutre profundo preconceito pelo povo, por pessoas comuns, pouco "refinadas", que não acham a menor graça em chamar menino de menina só porque um demente global qualquer acha "fofo" esse tipo de coisa.

Título e Texto: Rodrigo Constantino, Gazeta do Povo, 20-9-2021, 10h46

Relacionados: 
O “culpado” de tudo 
Pistola sem munição? 
Jornalismo – menos narrativas e mais fatos 
Reforma administrativa: é proibido tocar no presente; é proibido melhorar o futuro 
A tese otimista de Paulo Guedes 
Quem está falando sozinho? 
O debate necessário sobre mídias sociais e liberdade de expressão 
Juíza proíbe governo de ‘atentar contra a dignidade de Paulo Freire’ 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-