segunda-feira, 27 de setembro de 2021

[O cão tabagista conversou com] Raffaine Júnior: "Já passei por três AVC's, um tumor no pescoço e nunca desisti de ser feliz e continuar caminhando.”

Nome completo: Romildo Raffaine Junior

Nome de Guerra: Raffaine Junior

Onde e quando nasceu?

Jaú, SP, em 10 de setembro de 1962, mas só fui registrado em 5 de fevereiro de 1963.

Onde estudou?

Comecei meus estudos na cidade de Jaú, em 1969 na EEPG Dr Domingos de Magalhães.  Minha primeira professora, Arlete Nassif, com quem tenho a honra de ter contato até hoje.

Depois fui fazer o, na época, ginasial na Escola Industrial Joaquim Ferreira do Amaral. Tínhamos nessa escola, para os meninos aulas de marcenaria e mecânica, para as meninas bordados, corte e costura, artes plásticas.

Em 1975 mudamos para São Paulo e terminei o Ginasial na Escola EEPSG MARECHAL DEODORO, no bairro do Bom Retiro.

Terminado o ginasial em 1976, em 1977 prestei o vestibulinho e ingressei no colégio DR ALARICO SILVEIRA no bairro de Barra Funda onde terminei o colegial e não fiz faculdade.

Onde passou a infância e juventude?

A minha infância, até os meus 13 anos, passei em Jaú. 

A juventude, passei em São Paulo, onde fiquei até o ano de 2012.

Nesse ano retornei com minha mãe para a cidade de Jaú, onde estou até hoje.

Qual (ou quais) acontecimento marcou a sua infância e juventude?

Momentos que marcaram a minha infância: nasci e cresci na casa de meus avós paternos, juntos com meus tios e tias. Os meus tios quando eu nasci eram jovens, o meu tio mais novo é sete anos mais velho que eu. Então, a convivência com toda a minha família italiana na infância ficou gravado em minha memória.

Mas também convivi muito com a família dos meus avós maternos. Sempre fui muito apegado aos meus familiares, e ainda sou até hoje, meus primos são como irmãos para mim.  Meus pais sempre fizeram questão de sempre nos manter reunidos e isso perdura até hoje. 

Já na minha juventude, morando em São Paulo, comecei a minha vida profissional de 15 para 16 anos numa companhia de seguros, Seguradora Bandeirantes, que hoje já não existe mais. Fiquei até 1983.

Em 1982 fiz meu serviço militar, no 2°Batalhão de Guardas, no parque D. PEDRO II.

Minha juventude foi marcada por responsabilidades que tive que tomar, por ter iniciado tão cedo no mercado de trabalho.

Então começou a trabalhar em 1977?

Então, comecei na Seguradora e logo que terminou meu serviço militar, três meses depois, comecei minha carreira na aviação.

E depois da Seguradora?

Em 9 de maio de 1983 fui aprovado na seleção da Varig para trabalhar na loja de cargas e passagens, no bairro da Lapa.

Em 1984 fui de férias para Nova Iorque visitar meus tios e primos e fiquei encantado com o serviço de bordo.  Assim que voltei de férias fui me informar como eu poderia fazer para ser um comissário de bordo.  E em julho de 1985 fui aprovado na seleção para comissário.

Em 13 de dezembro de 1985 fiz meu primeiro voo tripulando uma aeronave da Varig, sob a instrução de Deise Alves.

Minha turma 9/85 ficou seis meses fixa na ponte aérea.  Em meados de 1986 fomos lotados no B727 e B737, onde cheguei até Chefe de Equipe.

Em 1989 fomos promovidos para o DC-10 e B747, posteriormente para o B767, B777, MD11.

Na carreira internacional fui auxiliar da Econômica, depois, da Executiva e logo em seguida para Auxiliar da Primeira Classe, onde fiquei até à falência dela, em agosto de 2006.

Fiz meu último voo como chefe de equipe do B757 num voo para Caracas, fui acionado na reserva. Na volta do voo eu já estava demitido e não sabia.

No começo de 2007 fiz seleção para a TAM LINHAS AÉREAS e fui aprovado.

Fiz parte da turma 89 de 2007, turma essa que era composta por ex-tripulantes das empresas VARIG, VASP, TRANSBRASIL E JAL.

Na TAM voei A319, A320, A321, A330 e o B767.

Nas aeronaves Airbus cheguei a ser Chefe de Equipe e Instrutor, que para mim foi a melhor época na aviação, pois meus alunos quando percebiam que o seu instrutor tinha mais tempo de voo do que eles de idade, e eles ficavam orgulhosos disso, e eu ficava lisonjeado com tamanho carinho. Eles costumavam chamar os instrutores e instrutoras de pai e mãe.

Em 2009 fui lotado no A330 e B767 tripulando voos nacionais e internacionais.

Em 2010 me aposentei por tempo de contribuição e continuei voando até maio de 2011, quando sofri um AVC hemorrágico e perdi minha carteira de saúde, sendo obrigado a encerrar minha carreira da aviação.

Encerrei na aviação, mas não parei de trabalhar.

Trabalhei de operador de caixa em uma grande rede de supermercados aqui do interior.

Depois, em 2015. voltei sozinho para São Paulo e trabalhei numa grande livraria no Conjunto Nacional, na avenida Paulista.

Em 2018 voltei para Jaú, me formei em massoterapia e esteticista, onde tenho hoje meu estúdio de massagem e depilação e estética facial e corporal masculino.

Nossa! Fui ‘atropelado’! 😊

Acho que fui para o último capítulo, né?   Perdão (risos).

Muito bem, antes de chegar a 2006, diga aí como ocupava o tempo nos pernoites?

Nos pernoites nunca fui muito de sair em turma, saía sempre com um ou dois comissários.

Minha diversão era visitar igrejas e museus. Apesar de ser muito leigo, sou apaixonado por artes plásticas, talvez frustração por não ter habilidades para pintar um quadro.




Quais os que mais gostava?

Eu tinha vários pernoites preferidos, todos nos Estados Unidos.  Da Europa, Madrid me chamava muito a atenção, talvez por ser neto de uma espanhola de Málaga.

Mas meu pernoite preferido de todos era Copenhague, mesmo debaixo de neve eu sentia que ali era o meu lugar.



Nós, na Varig, só tínhamos pernoites excelentes e em hotéis excelentes, por isso fica difícil escolher um. Então escolhi Copenhague, que era a cidade que eu mais me sentia bem, tudo para mim, desde pessoas, arquiteturas e refeições era perfeito.

Deduzo que você prefere o frio ao calor...

Exatamente, prefiro o frio ao calor. Me sinto mais disposto nos afazeres do dia a dia.

Passou por algum perrengue na aviação?

Perrengues na aviação, passei por dois problemas. Uma despressurização com o DC-10 voltando de Miami e precisamos pousar em Manaus. Tivemos um pernoite em Manaus e retornamos para São Paulo e a aeronave permaneceu em Manaus para devida manutenção.

O outro foi voltando de Los Angeles no DC-10, os dutos do toilette da Executiva se romperam e fez a maior sujeira dentro da galley. Nos bins, nossos paletós ficaram sujos de resíduos, sem contar o cheiro dentro da aeronave. Precisamos cancelar o segundo serviço.

Como soube da sua demissão na RG?

Quando cheguei de Caracas entrei em contato com a escala para ver como estava minha vida, pois quando desembarcamos encontramos muitos tripulantes chorando, foi aí que tomamos conhecimento do ocorrido.

Na escala fui informado que eu já teria um voo para o dia seguinte, aí recebi por e-mail uma listagem dos tripulantes que iriam continuar voando, eu fazia parte dessa lista, mas logo em seguida me ligaram e disseram que eu já não faria mais parte, e que era para eu procurar o RH com o telegrama que me foi enviado, telegrama esse que nunca recebi.

Por que a RG faliu?

Vamos lá.

Para mim foram vários fatores:  má administração, leasing de aeronaves em "Yen", moeda japonesa, não adequação ao momento vivido pela aviação mundial na época, tipo empresas de "Low Cost" onde acredito eu que quase todas as empresas se adequaram.

Outro motivo foi a defasagem tarifária não paga pelo governo.

Com certeza houve também influência política, mas esse assunto é delicado e eu não gostaria de comentar.

Saudades dos voos?

Sinto falta de tudo relacionado ao voo, desde arrumar meu uniforme em casa, cursos de reciclagem, convivência em DO, o próprio voo em sim, pernoites em hotéis e cidades excelentes, enfim, tudo, até do sufoco para guardar tudo na galley para o pouso.

Sinto falta me acredito por não ter me preparado para a aposentadoria, pois as duas vezes que parei foi por motivos trágicos.

Imagino que o vírus chinês tenha afetado demais o seu estúdio...

Sim, a pandemia afetou e muito. Principalmente no início da pandemia, não sabíamos de nada, tínhamos muitas dúvidas e medos. 

Estamos em setembro de 2021 e ainda a pandemia está nos afetando. Mas os clientes estão começando a precisar de se cuidarem e já estão nos procurando. Principalmente clientes com depressão e crise de ansiedade, pois a massagem relaxante é um tratamento muito eficaz para esses clientes.

Como vai São Paulo?

Vou falar da minha cidade Jaú, interior do estado de São Paulo.

Nossa cidade sofreu muito com a pandemia. A nossa cidade é praticamente movida por fábricas de sapatos femininos. Temos um "shopping" chamado Território do Calçados com mais de 300 lojas de sapatos e acessórios.

Muitas dessas fábricas faliram e consequentemente as lojas também, deixando muitos desempregados.

Mas no mês de agosto passado, com a abertura do comércio, a economia está voltando ao normal, várias frentes de emprego foram abertas. Acredito que isso está acontecendo em todo o estado de São Paulo.

E o Brasil?

No Brasil temos um governo que desde quando assumiu está tentando, e a meu ver está conseguindo, levar a economia. Muitas melhorias estão sendo feitas, tais como água para o nordeste, hoje uma grande parte da população do nordeste já tem água encanada em casa, com isso essa região até milho está produzindo.

Muitas rodovias estão sendo terminadas e outras começadas e terminadas. Vamos ter uma malha ferroviária nacional imensa a caminho, pelo ministério da infraestrutura.

Diria que apesar da pandemia o Brasil caminhou bem e vai melhorar cada dia mais.

Interessante. Mas em Portugal, de acordo com a Agência Lusa e os correspondentes no Brasil (parece que 99% deles no Rio de Janeiro), o Brasil vai de mal a pior e o atual presidente é um “genocida” e “assassino” (insultos ouvidos por mim em 7 de setembro, no Terreiro do Paço, Lisboa)...

A população mostrou nas ruas o contrário.  A aprovação dele nunca esteve tão alta.  Viúvas e viúvos do PT, políticos que adoram corrupção e artistas que perderam a boquinha de captar dinheiro público para terem uma vida faraônica.


E a mídia que era comprada também com dinheiro público ainda não está satisfeita pela perda da mamata, então denigrem o país e seu governante eleito democraticamente por 57 milhões de votos. 



Certo. Gostou do discurso do presidente Bolsonaro na ONU, ou nem por isso?

Gostei dos temas abordados: pandemia  de covid-19, meio ambiente, corrupção. Deixou claro que em dois anos e oito meses de governo não houve nenhum  caso de corrupção. 

Gostei principalmente  quando ele disse que temos um presidente que acredita em Deus, respeita a Constituição, valoriza a família ( como comentei no início da entrevista que sou uma pessoa apegada demais à  minha família) e também que ele é  leal ao povo. 

Pra mim foi perfeito,  mostrou com realidade o nosso país. 

Conhecia o Cão?

Conhecia sim e fiquei bem chateado com o problema que o Cão enfrentou com a página, podendo perder todos os trabalhos.  Felizmente tudo resolvido.

Uma pergunta que não foi feita?

Se valeu a pena começar a trabalhar tão jovem?

Resposta: Valeu e muito. Fiquei longe de tudo que não prestava. Juntei conhecimentos para enfrentar a fase adulta e poder desfrutar de uma aposentadoria com 47 anos de idade.

A derradeira mensagem:

Nunca desistirmos de nós mesmos. Já passei por três AVC's, um tumor no pescoço e nunca desisti de ser feliz e continuar caminhando, apesar de todos os obstáculos.



Obrigado, Raffaine! 😉

Fotos enviadas por Raffaine Junior

Conversas anteriores: 

4 comentários:

  1. Sou da turma do Raffaine. Desde a época do curso sempre fomos muito amigos. Ele é um exemplo de força e de coragem. Pode até cair, mas levanta sempre mais forte!!! Parabéns pela entrevista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, são muitas emoções. Gratidão.

      Excluir
  2. Sou amiga do Raffaine Júnior a mais de 45 anos! Começamos a trabalhar juntos na Cia Bandeirantes de Seguros em São Paulo-SP.
    A vida nos levou para lugares distintos, mas nos encontramos, e a outros amigos, e mantemos contato até hoje via cartas, Orkut, Messenger, Facebook, WhatsApp, Instagram, sinais de fumaça, e o que mais vier.
    Tenho muito orgulho da trajetória do JR! História de garra, luta, força, determinação e resiliência.
    Parabéns, meu grande amigo. 👏🏼👏🏼👏🏼🥰😘

    ResponderExcluir
  3. Júnior é uma pessoa incrível e eu como irmã, só posso agradecer por todo exemplo de determinação e vontade. Pude acompanhar de perto muita alegria e tristeza, e saber o quando ele é um baita homem nessa vida que precisamos sempre ter só nosso lado. Saiba que sua história Ju, com certeza, já salvou a minha vida em vários momentos.
    Amo vc

    Parabéns por essa pessoa linda e íntegra que você é.

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-