terça-feira, 21 de setembro de 2021

[Estórias da Aviação] O bebê do Grosman (2ª parte)

José Manuel

Depois daquele “insight” quando da visão dos quadros na parede da sala, e o pulo no tempo, até Roma em 1975, voltamos novamente a1979 ou quatro anos pós Porta Portese, que aliás, estou estranhando o Paolo Gallozzi até agora não ter se manifestado, pois é o italiano mais esperto que conheço. 

Depois da nossa “lâmpada” vulgo Nelson que os mais antigos todos sabem a quem estou me referindo, o Paolo Gallozzi sabe e se lembra de tudo da VARIG, até do número da camisa do Da Gama, nas peladas variguianas de Roma.

E então a vida na década de 70, corria morna, para nós tripulantes com os impecáveis Boeing 707 brilhantes com os seus alumínios polidos e a nossa indefectível pintura jamais esquecida, ainda voando garbosamente para os quatro cantos do mundo, apesar da sombra ameaçadora do tri-jato DC-10 "wide-body" que cada vez mais crescia em tamanho e volume, ameaçando o reinado longevo do quadrimotor mais amado da aviação mundial. 

E foi mais uma vez nesse lindo pássaro prateado que nossos caminhos se cruzaram para mais uma aventura, desta vez, das mil e uma noites quase que literalmente.

Novamente, eu e o nosso ilustre Capitão “Menache (Rei de Israel) Grossmann" com duplos esses e duplos enes judaicos pois esse era seu nome correto e sabido graças ao Lâmpada e sua memória formidável. Mais uma vez, fomos parceiros na fabulosa aventura que se desenrolaria no céu do Brasil, em pleno coração da Amazônia.

O voo 854 com destino a Nova Iorque tinha tudo para dar certo naquela noite linda, enluarada e calma com o Boeing prateado, lotado como sempre, com seu serviço de bordo primoroso e saudoso, rasgando o céu do Brasil a 950 km/hora.

Após três longas horas de voo, serviço de jantar terminado, a classe econômica entrando em "Dim lights" para o repouso de todos, a tripulação já havia jantado e os três últimos assentos reservados a nós comissários, já ocupados pelo pessoal do primeiro turno de descanso.

Eu, supervisor da classe econômica, após a sequência de praxe, como o jantar do primeiro plantão e enquanto o responsável pela Galley preparava o serviço para o Breakfast, e a comissária fazia as rondas de serviço na cabine de pax, jantava sentado no Jump Seat da porta traseira esquerda, com as três toaletes contíguos bem atrás daquele ponto onde me encontrava.

Nisso, na penumbra calma a doze mil metros de altitude, e apenas o barulho dos quatro motores, ouvi uma das portas de uma toalete se abrir com força e a frase que jamais vou esquecer, um misto de espanhol, pranto e dor "MI HIJO ESTÁ NACIENDO!!"

Sem acreditar no que ouvia, me virei para trás e vi aquela jovem mulher argentina segurando sua enorme barriga e se contorcendo em dores de parto. 

Mas... como eu não tinha visto aquela mulher embarcar com aquela barriga enorme na econômica? Segundos de interrogações voaram na minha cabeça atônita com aquela imagem.

Hoje, sei que aquele " break point" foi o início do trabalho de uma orquestra magistralmente afinada!

Dois, três minutos após o contato inicial, os três crew seats já tinham se transformado com a ajuda de cobertores, numa maca, a passageira acomodada e quatro garrafas portáteis de oxigênio da estação 990 e dos porta casacos, já estavam sendo administrados com maestria pelas comissárias com conhecimentos de obstetrícia no famoso curso Varig.

Pelo P.A. solicitei um médico com calma e sem emoção, determinando às comissárias a administração de oxigênio em profusão por saber que essa atitude deixaria a futura mamãe relaxada, fora todas as atitudes possíveis e imagináveis ao preparo de um parto. Nenhum médico se apresentou, apenas um engenheiro que queria ajudar de algum modo e foi convidado gentilmente a voltar a seu assento. 

Prossegui em direção ao nariz da aeronave, sorrindo com aquela situação insólita e segundos depois, já havia chegado à porta do Cockpit passando pelo Chefe de Equipe que teve a nobreza de não intervir, para não complicar ainda mais o processo que corria perfeito.

Entrei naquele cubículo escuro e abarrotado de reloginhos de todo o tipo, manches, manetes, luzes de todas as nuances, passando por trás do Flight Engineer, pela lateral do segundo oficial e me postando atrás do Comandante Grossmann à esquerda, perguntei delicadamente onde estávamos naquele momento, tendo como resposta, " passamos agora no través de Alta Floresta ", por quê?

- Bem...  Capitão, estamos perto de algum aeroporto para aviões de grande porte? 

- Sim... Manaus adiante e à esquerda, mas qual é o problema e por que você quer saber?

- É.... que se o senhor não colocar este avião no chão o mais rápido possível, vamos ter o P.O.B. aumentado em uma alma... lá atrás!

Claro que ele passou por cima de mim, que já esperava por isso e fui correndo atrás dele. 

Grande Comandante, olhou todo aquele cenário de hospital de campanha, não disse uma palavra como se estivesse aprovando todo o nosso trabalho e desapareceu como um raio em direção ao seu posto...

Ele também sabia que podia contar conosco e que tínhamos o controle da situação!

Em seguida sentimos a aeronave embicar com fúria, nariz embaixo, mais cinquenta minutos intermináveis de voo, entre seis e sete toneladas de combustível alijado com rastro prateado ao luar, e em nosso trabalho de evitar um parto prematuro continuávamos com receio de que algo não desse certo, como um cordão em volta do pescoço, por exemplo, caísse em nossas mãos teóricas e amadoras.

Finalmente e para nosso alívio, um pouso "manteiga" à la Grossmann, apesar de um pneu furado no pouso, foi como se tivéssemos pousado na vertical e suavemente.

Médicos já na porta, retiraram a passageira que teve o seu bebê, uma menina, ali mesmo, no ambulatório do aeroporto de Manaus.

Uma hora depois, pneu trocado e mais cinco horas pousaríamos em Nova Iorque com uma sensação ótima de dever cumprido.

Aquela criança deve a vida à perícia do comandante Grossmann, pois segundo notícias posteriores ela estava realmente em posição não adequada e com o cordão em volta de seu pescoço.

Nunca se soube como essa passageira conseguiu embarcar em Buenos Aires, passou pelo controle GIG e entrou em nosso avião, naquele estado.

Seu destino era o Canadá, e ficaram retidas no Brasil até pagarem o depósito compulsório para viagens internacionais, vigente à época, pois o Presidente Geisel não liberou a saída.

Apesar dessa confusão toda, 80% dos pax não acordaram e após a nova decolagem, alguns ainda me perguntaram se estávamos chegando!

Mais um final feliz, como todos os voos da sempre Pioneira


GLOSSÁRIO AERONÁUTICO:

Wide-body: Fuselagem larga

Dim lights: Esparsas luzes ambientais durante voo noturno.

Classe econômica: também designada por turista

Galley: Área de manuseio de alimentação em aeronaves. Não é cozinha

Breakfast: Pequeno almoço ou café da manhã.

Pax: Termo aeronáutico para passageiro

Jump Seat: Assentos retrateis para tripulantes na área das portas.

Break Point: Momento sem retorno

Estação 990: Anel estrutural de reforço da fuselagem no B- 707.

Crew Seats: Assentos ou poltronas só para tripulantes

P.A.: Public Adress, sistema de comunicação ambiente

Cockpit: Cabine de comando

Flight Engineer: Engenheiro de voo

Través: Localização lateral perpendicular à aeronave

P.O.B.: People on Board, passageiros ou “almas" a bordo

GIG: Sigla para aeroporto do Galeão (Rio)

Título, Imagem e Texto: José Manuel, setembro de 2021


Anteriores:
Os quadros do Grosman (parte I)
Confira (e anote) o dia da sua coluna preferida
Passageiros rebeldes
Voo Solo - Jacarepaguá - RJ
Retidos no aeroporto
Sem regulamentação
O cafezinho
Água Mineral no Serviço de Bordo

2 comentários:

  1. Olá José Manuel, sou Carlos H.Grosman(um "s" e um "n" registrado pelo meu pai), ex comandante na Varig e depois na Gol. Adorei seu texto, me trouxe muitas lembranças do velho, do seu jeito autoritário, por vezes, mas foi um paizão. Lembrar da Porta Portesi, lugar que ele nos levou para comprar casacos no inverno e suas bugigangas decorativas que era seu hobby. Nessa estória do voo 854 com direito a parto em BEL, gostaria de contribuir com mais algumas informações. Quando meu pai chegou em casa desse voo, nos sentamos na cozinha a sua volta, minha mãe, meus irmãos e eu, como era de costume, ele ainda de uniforme, cara de cansado, mas começou a contar a estória. Depois de avisado na cabine por você da passageira com contrações, ele contou que pediu para localizarem um médico a bordo e apareceu um estudante de medicina do primeiro ano. Meu irmão mais velho fazia medicina na época e costumavam conversar muito sobre as aulas da faculdade. Meu pai gostava de medicina e me disse uma vez que quase se tornou médico. Um amigo dele em Sorocaba o levou até a faculdade de medicina para fazerem a matrícula, e falou pra ele, "Néco, nós vamos ser médicos". Naquela época não havia vestibular, era fazer a matrícula e começar, mas meu pai virou pra ele e disse que não, ia ser piloto. Voltando ao voo 854, meu pai tinha uma noção sobre trabalho de parto. Pediu ao estudante que marcasse de quanto em quanto tempo estavam ocorrendo as contrações e lhe informasse. Com essa informação saberia quanto tempo teria até o nascimento e pôde planejar onde iria pousar, que acabou sendo em BEL. Na volta do voo, dias depois, não lembro se pousou em BEL ou se foi pelo rádio que perguntou ao pessoal de terra da Varig como estava a passageira, se havia corrido tudo bem e se ainda estavam em BEL e informaram que ainda estava lá, que a Varig iria pagar o depósito compulsório para o pequeno paraense seguir viagem e que a mãe queria muito saber o nome do comandante, pois iria dá-lo ao seu filho em homenagem a ele. Meu pai pediu que dissessem à ela que não fizesse isso, pois não iria gostar do nome e que escolhesse um de seu gosto. Foi isso. Agradeço pelo seu texto que regatou essa bela estória da nossa Varig, dentre muitas. Abraços.

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-